coluna marcelo martins

Construtora que fará condomínio em Camobi reformará escola, posto, parada e o Calçadão

Autor: Marcelo Martins

Foto: Reprodução maquete
Imagem de como ficará o Calçadão de Santa Maria

A construção de um condomínio no Bairro Camobi, com 23 torres, terá mais de 730 apartamentos. Para isso, a construtora De Marco Incorporações Imobiliárias, de Erechim, viabilizará um empreendimento de, pelo menos R$ 122 milhões. Além do impacto e do fomento à economia, o desdobramento dessa obra poderá ser sentido não só ao entorno de Camobi, mas também em outras regiões da cidade.

Ainda na semana passada, o Executivo municipal e a construtora assinaram um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) - ferramenta prevista no Plano Diretor - em que fica acordado que a De Marco aportará R$ 1,75 milhão como contrapartida. Isso, na prática, possibilitará à administração do prefeito Jorge Pozzobom (PSDB) um fôlego para tocar demandas que são próprias do poder público. 

CONTRAPARTIDA EM OBRAS
Dessa contrapartida, R$ 850 mil serão utilizados para a reforma de uma escola municipal, de um posto de saúde, a manutenção de uma praça, intervenções em paradas de ônibus precarizadas e inexistentes e, por fim, à construção de uma ciclovia. Tudo no entorno do condomínio, que ficará na Avenida João Machado Soares. Já a outra parte da verba, de R$ 900 mil, será destinada a outros investimentos de interesse do poder público, como a reforma do Calçadão

CALÇADÃO
Há a possibilidade, explica o engenheiro, de que o valor de R$ 900 mil seja fracionado, conforme sinalização feita pela própria prefeitura. A verba de R$ 400 mil ajudará a dar uma injeção na recuperação do Calçadão.

- É uma contrapartida significativa que daremos à prefeitura, mas vimos em Santa Maria um nicho promissor, além do que é uma cidade que tenho um carinho muito grande - afirma De Marco.

Mas até a assinatura do TAC, o engenheiro civil diz que "por muito pouco não desistiu de investir" em Santa Maria. O projeto da obra tramita desde 2017 por várias pastas da administração municipal e, no momento, resta apenas a liberação de uma última etapa: a licença de execução. Superado esse trâmite, terá início a obra, prevista para ocorrer já em maio (com os serviços de terraplanagem e os primeiros módulos). A previsão é que as mais de duas dezenas de torres sejam concluídas em até quatro anos (confira detalhes na página ao lado).

Quem acompanhou o processo, do lado da prefeitura, foi a procuradora jurídica do município, Rossana Boeira, que afirma que agora está tudo devidamente ajustado. Ela comentou à reportagem sobre a contrapartida:

- São medidas compensatórias que estão previstas no Plano Diretor e que agregarão valor ao dia a dia da comunidade. É uma ferramenta moderna e que, invariavelmente, a comunidade ganhará e, claro, a empresa nos ajudará nisso. É uma parceria que os dois lados ganham.

APARTAMENTOS DO CONDOMÍNIO SERÃO FINANCIADOS PELA CAIXA

A área do terreno, de 45,8 mil metros quadrados, foi comprada de uma empresa privada. Uma vez iniciada, a obra terá 55,8 mil metros quadrados de área construída. O Morada do Leste, como se chamará o residencial, terá 23 prédios - sendo que cada um terá oito andares com quatro apartamentos cada. Ao todo, o residencial terá 736 unidades. 

O imóvel com 55 metros quadrados será compacto, mas terá uma estrutura atrativa, garante Carlos De Marco. Serão dois quartos, um banheiro, cozinha e sala integradas, área de serviço, sacada com churrasqueira e uma vaga de garagem. O residencial ainda ofertará quadra poliesportiva, pista de caminhada, academia, playground, churrasqueira, salão de festas e uma ampla área verde que representará um terço da área total do condomínio.

Outro diferencial da obra é o sistema de construção - mais rápido e econômico - que se vale da utilização de paredes de concreto que são moldadas in loco, explica o empresário. Está prevista, ainda, outra tecnologia cada vez mais usual em grandes centros urbanos: a captação da água da chuva e sua retenção, que contribui para racionalização do uso da água tratada e também dará enfrentamento aos efeitos de enchentes e de inundações. 

Os apartamentos, que terão financiamento pela Caixa Econômica Federal, enquadram-se na chamada Faixa 2 (que contempla renda de três a seis salários). Para o primeiro lote, que terá sete prédios e 192 apartamentos, os preços devem variar de R$ 160 mil a R$ 170 mil.

Desde 2011, a De Marco é referência em unidades habitacionais pelo Minha Casa, Minha Vida e já entregou 813 apartamentos em Casca, Marau, Erechim, Passo Fundo e Carazinho. 

ESTRUTURA
O Morada do Leste, como se chamará o residencial no Bairro Camobi, prevê a seguinte estrutura:  

  • 23 prédios que, juntos, terão 736 apartamentos
  • Cada apartamento terá 55 metros quadrados
  • Serão dois quartos, um banheiro, uma cozinha e sala integrados, área de serviço, sacada com churrasqueira e uma vaga de garagem
  • O residencial ofertará quadra poliesportiva, pista de caminhada, academia, playground, churrasqueira e salão de festas
  • A área verde representará por 35% do total do condomínio
  • O total do investimento será de R$ 122 milhões
  • Os apartamentos terão financiamento pela Caixa na chamada Faixa 2 (que contempla renda de três a seis salários mínimos - R$ 2,9 mil a R$ 5,9 mil)
  • Para o primeiro lote, que terá sete prédios e 192 apartamentos, os preços devem variar de R$ 160 mil a R$ 170 mil
  • As obras começam em maio e devem durar quatro anos
  • Cada prédio terá oito andares de quatro apartamentos

Carregando matéria

Conteúdo exclusivo!

Somente assinantes podem visualizar este conteúdo

clique aqui para verificar os planos disponíveis

Já sou assinante

clique aqui para efetuar o login

Novas capelas no Cemitério Ecumênico devem ser entregues até outubro Anterior

Novas capelas no Cemitério Ecumênico devem ser entregues até outubro

Empreendimento privado construirá mais de 20 torres de prédios em Camobi Próximo

Empreendimento privado construirá mais de 20 torres de prédios em Camobi

Marcelo Martins