coluna marcelo martins

Para reitor da UFSM, declaração do presidente de tirar dinheiro de cursos das ciências humanas é 'preocupante'

Autor: Marcelo Martins

Foto: Renan Mattos (Diário)

As redes sociais, mais uma vez, estremeceram com um tuíte do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que, tanto no período eleitoral quanto ao assumir o posto máximo do país, tem feito dessa ferramenta o seu canhão para tomada de decisões e de manifestações polêmicas. Na mais recente delas, nesta manhã, Bolsonaro defendeu que o Ministério da Educação (MEC) faça a realocação de recursos de faculdades de ciências humanas para cursos de engenharias e de Medicina e também Medicina Veterinária.

Leia outras colunas de Marcelo Martins

No tuíte, o presidente escreveu que "o objetivo é focar em áreas que gerem retorno imediato ao contribuinte, como: veterinária, engenharia e medicina".

Já em outra postagem, logo na sequência, Bolsonaro finalizou ao dizer que "a função do governo é respeitar o dinheiro do contribuinte, ensinando para os jovens a leitura, escrita e a fazer conta e depois um ofício que gere renda para a pessoa e bem-estar para a família, que melhore a sociedade em sua volta".

Sobre as declarações, o reitor da UFSM, o professor Paulo Burmann, avaliou que a declaração lhe causa espanto e, igualmente, preocupação:
_ Não o sigo nem o cuido nas redes sociais. Mas ainda que não seja uma manifestação oficial ou, até mesmo, um decreto, é, sim, algo que preocupa e nos espanta. Mas quero crer que seja uma manifestação que se limite à rede social.

Mesmo assim, Burmann diz que, o ano de 2019, dá indicativos de que será um dos mais difíceis da história recente da instituição:
_ Já estamos, nos últimos anos, convivendo com um orçamento extremamente reduzido. E a tendência é que 2019 seja igual ou ainda pior. Não se trata de alarmismo ou de vitimização, mas dos fatos colocados. A realidade das universidades é cada vez mais preocupante.

Ainda que o governo federal tenha editado, recentemente, três decretos que irão impactar diretamente as universidades, Burmann espera que as obras já iniciadas - no campus principal e demais campi - sejam finalizadas. Segundo ele, há uma sinalização do MEC de liberação de verbas para aquelas obras que estejam com, pelo menos, 80% dos serviços executados. Atualmente, a UFSM contabiliza 30 obras.

Na última terça-feira, Burmann esteve em Brasília e reuniu-se com o vice-presidente Hamilton Mourão e convidou para a inauguração do campus de Cachoeira do Sul e também de outras obras dos demais campi:
_ Foi um encontro muito tranquilo. O vice-presidente, até por sua ligação com Santa Maria, se mostrou extremamente solícito e sinalizou que pode vir.

Carregando matéria

Conteúdo exclusivo!

Somente assinantes podem visualizar este conteúdo

clique aqui para verificar os planos disponíveis

Já sou assinante

clique aqui para efetuar o login

Santa Maria terá maratona para buscar soluções para problemas da administração pública Anterior

Santa Maria terá maratona para buscar soluções para problemas da administração pública

Prefeitura abre licitação para empresa consertar telhado de Restaurante Popular de Santa Maria Próximo

Prefeitura abre licitação para empresa consertar telhado de Restaurante Popular de Santa Maria

Marcelo Martins