Operação Santidade: presidente da Câmara de Vereadores afirma que “não existe perseguição política” ao prefeito de Itaara

Autor: Vitória Parise,Letícia Almansa Klusener,Igor Müller

Operação Santidade: presidente da Câmara de Vereadores afirma que “não existe perseguição política” ao prefeito de Itaara
Na manhã desta quinta-feira (17), foi deflagrada a “Operação Santidade” para investigar um possível esquema de direcionamento de certames públicos. Suspeito de ser o mentor intelectual, o prefeito de Itaara, Silvio Weber (PSB), nega a participação e afirma ser uma perseguição do vereador e presidente da Câmara de Vereadores, Robertson Tatsch, também conhecido como “Mano Zimmermann”. Ao vivo no F5, Zimmermann, por sua vez, afirmou que, como chefe do Legislativo, delibera a partir da decisão da Câmara, e que não há perseguição.  

— A alegação é infundada. Não existe perseguição política — acrescentou o vereador.

Em relação ao presidente do Legislativo, o Ministério Público investiga, ainda, um assalto à casa de Zimmermann em novembro de 2021, e que “o autor intelectual” seria, supostamente, o prefeito Sílvio Weber, que antes de entrar para a política partidária era pároco de Itaara — que está atualmente licenciado do sacerdócio.     

Sobre esse fato específico, o promotor Antonio Kepes, disse que a denúncia chegou ao Ministério Público e que está sendo investigada há alguns meses. Segundo ele, o roubo teria como objetivo “a subtração de aparelhos digitais (computadores e notbooks), que, em tese, teriam provas de incriminação do prefeito em fatos que já estavam em andamento na CPI” do Legislativo. 

– O fato é que os bandidos que invadiram minha casa foram condenados a doze anos e meio e eu sei que o Ministério Público estava tentando uma delação pra eles apontarem o mandante. Eu não sei informações, mas acredito por isso citarem essa questão e fizerem essa operação de hoje, eles devem ter provas contundentes, né?

A operação “Santidade” recebe esse nome em alusão ao prefeito de Itaara, apelidado de “padre” pelo sacerdócio por ele desempenhado na igreja da comunidade. Ele foi eleito com 33% dos votos em 2020.

Ao todo, são 12 mandados de busca e apreensão cumpridos na sede do Executivo Municipal, na Câmara de Vereadores, nas residências dos investigados e na sede empresarial de um dos envolvidos em Itaara, determinados pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Também foram cumpridas diligências em Santa Maria e Tupanciretã.

O que diz o Ministério Público

A investigação, coordenada Ministério Público do Rio Grande do Sul, por meio da Procuradoria da Função Penal Originária, revelou um esquema criminoso supostamente capitaneado pelo prefeito, de direcionamento de certames públicos, com objetos superfaturados. Em um deles, o prejuízo aproximado alcançou o montante de R$ 471.106,63. Há suspeitas, ainda, do pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos, com consequente desvio de rendas públicas. Ainda pesa contra o prefeito, como autor intelectual, e mais dois investigados, a imputação de crime de roubo na residência do presidente do Legislativo, Mano Zimmermann (PSB).

O promotor de justiça, Antonio Képes, comentou o caso e a investigação:

— A investigação inicial é sobre contratos licitatórios que em tese estariam com irregularidades, fraudes, mais ou menos, apurado em torno de meio milhão. Contratos com empresas específicas na área de pavimentação, limpeza, enfim. A questão da denúncia também foi feita no Ministério Público sobre a autoria do prefeito no crime de roubo na casa do presidente do legislativo e que tinha como objetivo a subtração de aparelhos digitais, que em tese teriam provas de crimes cometidos em fatos que já estavam em andamento na CPI. O Ministério Público toma todos os cuidados e a investigação está ocorrendo ha pouco mais de um ano.

Próximos passos

A vice-prefeita de Itaara, Tita Desconzi, conversou com o repórter Gilberto Ferreira ao vivo pela Rádio CDN sobre o caso:

Questionada sobre o motivo pelo qual não estava participando ativamente da gestão, a vice-prefeita relatou participar apenas quando o prefeito estava viajando. Disse que irá assumir o cargo e cumprir com o compromisso.

“Armação para tentar me incriminar”, diz prefeito de Itaara sobre acusações e afastamento do cargo

Prefeito de Itaara é alvo de operação do Ministério Público e tem pedido de afastamento do cargo decretado nesta quinta-feira

Carregando matéria

Conteúdo exclusivo!

Somente assinantes podem visualizar este conteúdo

clique aqui para verificar os planos disponíveis

Já sou assinante

clique aqui para efetuar o login

Operação Santidade: o que está em investigação e o que dizem os envolvidos Anterior

Operação Santidade: o que está em investigação e o que dizem os envolvidos

Governo de transição vai propor revogação dos decretos de armas Próximo

Governo de transição vai propor revogação dos decretos de armas

Geral