dona francisca

Secretários e procurador investigados por fraudes e desvio de dinheiro são exonerados

Pela primeira vez, prefeito Edaleo Dalla Nora falou após afastamento de servidores por investigação do MP

18.398

Foto: Janaína Wille (Diário)
Prefeito leu o pronunciamento ao lado da nova secretária de Administração 

Pela primeira vez após o afastamento de dois secretários, procurador jurídico e uma servidora da prefeitura de Dona Francisca, o prefeito da cidade, Edaleo Dalla Nora (PP), se manifestou publicamente a respeito do assunto. Os afastamentos ocorreram durante uma ação do Ministério Público na última quarta-feira.


O prefeito, nesta manhã, se reuniu com a imprensa e leu um comunicado. De acordo com a manifestação, ele anunciou a engenheira Laura Hermes como nova secretária de Administração e Planejamento. Ainda conforme o prefeito, ela deve assumir, de forma interina, a secretaria de Finanças da cidade. Ainda não há definição sobre quem vai assumir o cargo na procuradoria jurídica. Ele anunciou que os quatro envolvidos serão exonerados e responderão processo administrativo disciplinar.

Ex-funcionários sofriam represálias por denunciar fraude, aponta investigação

Após ler o comunicado, o prefeito optou por não responder perguntas dos jornalistas, com o argumento de que não sabe detalhes sobre o andamento das investigações. A respeito das denúncias, ele se limitou a dizer que não sabe de nada e que não teve mais contato com as pessoas afastadas dos cargos.

- A administração municipal está colaborando com o andamento do processo. Foi um choque para mim, pelo pouco tempo de governo. Quero dizer a vocês que a minha vida é uma vida de pessoa honesta. Nasci numa família de agricultores, meu pai e a minha mãe tiveram 16 filhos. Estou tentando fazer o melhor para Dona Francisca honestamente - afirmou Dalla Nora. 

O CASO 
Na última quarta-feira, as quatro pessoas foram afastadas de seus cargos e não podem entrar na prefeitura: o então procurador jurídico do município, Luiz Carlos Bandeira, a secretária de Administração e professora, Raquel Miranda Keisman, o secretário de Finanças e serviços gerais, José Régis Bordin, e uma servidora (que também é suplente de vereadora) são suspeitos de integrar uma suposta organização criminosa para desviar dinheiro público por meio de diferentes iniciativas. 

Segundo o coordenador dos trabalhos, o promotor de Justiça Mauro Rockenbach, as pessoas são investigadas os crimes de fraude licitatória, peculato, prevaricação e patrocínio infiel. Eles são investigados por irregularidades na contratação de professores da rede municipal, desvio de doações de materiais de construções para pessoas carentes, dispensas de licitação e pagamentos irregulares e pagamento de horas extras em duplicidade. 

*Colaborou Janaína Wille


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190