saúde da mulher

VÍDEO: exames de mamografia devem ser evitados 30 dias após a vacinação da Covid-19

Orientação é para que não haja confusão no diagnóstico do câncer de mama. Mesmo assim, quem tem exame agendado não deve deixar de fazer

Jaiana Garcia

Foto: Marcelo Oliveira 

Uma das reações comuns à vacina contra a Covid-19 tem sido a linfonodopatia axilar, que são nódulos ou - como são popularmente conhecidos - caroços que se formam próximos aos seios e que podem ser confundidos como sinal de câncer de mama. Para evitar problemas na interpretação da mamografia, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) orientam que as mulheres que receberam a dose do imunizante devem aguardar um mês para a realização do exame. A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) notou, nas últimas semanas, aumento na procura por mamografias e nos laudos por causa dos linfonodos no país e por isso emitiu o alerta. 


Os especialistas dizem no documento, que cita dois estudos realizados pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, que "dados recentes demonstram que algumas vacinas utilizadas contra a Covid-19 são altamente imunogênicas, causando número significativo de linfonodopatia axilar ipsilateral à vacina. Essa irregularidade pode gerar dificuldades na realização de exame de imagens".

Com 77% de ocupação de UTI, Santa Maria tem a menor taxa desde fevereiro

A criação de nódulos tem sido mais comum com a aplicação da vacina da Moderna, que não é usada no Brasil, e da Pfizer, que ainda possui poucas doses disponíveis no país. O percentual de acometimento é de cerca de 10%. Outras vacinas, como a do sarampo, varíola e da influenza, que buscam uma resposta imunológica robusta, também podem provocar a mesma reação. Isso se explica pelo fato do corpo gerar um processo inflamatório, uma resposta normal do organismo.

Mesmo com a orientação de adiar ou evitar exames pós-imunização, o médico mastologista Flávio Jobim, que atua no Hospital Universitário de Santa Maria (Husm), pede que as mulheres não deixem de fazer a mamografia, principalmente àquelas que possuem agendamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mais difíceis de serem remarcados.

- A orientação não deve ser uma regra para todas. As pacientes que estão com a mamografia em dia, podem esperar, mas para as que estão com atraso e vão precisar aguardar três meses para encerrar o ciclo vacinal e mais os 30 dias recomendados, pode ser tarde demais. A minha preocupação é com a perda de tempo no diagnóstico do câncer. Se tiver a oportunidade de fazer, faça - explica Jobim. 

No exame de radiologia, é possível diferenciar as características dos linfonódulos. No caso do câncer, eles são mais duros e irregulares, com o aspecto "infiltrativo", mas no exame de toque caseiro, pode causar confusão. Jobim explica que no Hospital Universitário de Santa Maria (Husm), onde ele supervisiona a residência médica na área, não aconteceu nenhum caso de criação de nódulos causados pela vacina e que não há motivo para preocupação. A orientação é que as mulheres, na hora de consultar ou fazer o exame, sempre avisem ao médico se já tomaram o imunizante: 

- Eu oriento que na hora de preencher o questionário, a paciente informe se foi vacinada, a data da imunização, o braço em que recebeu a dose e qual vacina foi aplicada. No caso de desconfiança no diagnóstico, a mulher deve ter acompanhamento médico.

CÂNCER DE MAMA
Vários estudos têm confirmado a importância da mamografia na redução da mortalidade pelo câncer de mama. Quando descoberto no início, a doença tem 95% de chance de cura. O rastreamento mamográfico deverá incluir mulheres assintomáticas a partir dos 40 anos de idade. Se existir um caso na família, como tia, irmã ou mãe, o indicado é realizar o exame todos os anos a partir dos 35 anos de idade, para prevenção da doença. O rastreamento tem duas finalidades: detecção precoce do câncer de mama e redução das cirurgias desnecessárias. É válido lembrar que a vacina não provoca câncer de mama. 



fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190