covid-19

VÍDEO: 6 meses depois do tratamento em Santa Maria, manauaras têm rotina retomada

Em 2 de fevereiro, 15 pacientes vindos da capital amazonense foram transferidos para o Hospital Regional, enquanto a cidade do Norte enfrentava o colapso de saúde

Leonardo Catto
Foto: Foto: Anselmo Cunha (Arquivo/Diário)

Foto: Anselmo Cunha (Arquivo/Diário)

Enquanto o Amazonas enfrentava o colapso do sistema de saúde, 15 manauaras tiveram uma chance de tratamento em Santa Maria. Eles chegaram na cidade em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) em 2 de fevereiro, há seis meses. Hoje, todos já retornaram para casa. O colapso também atingiu o Rio Grande do Sul. E, mesmo que a pandemia ainda permeie o cotidiano, o pior momento foi superado.


LEIA TAMBÉM
15 pacientes transferidos de Manaus são internados em Santa Maria
Variantes do vírus no Estado não têm relação com pacientes do Norte
Como será o período de isolamento dos pacientes de Manaus em Santa Maria
Seis pacientes de Manaus que estão em Santa Maria são transferidos para UTI

O pastor João de Souza Simões, 58 anos, chegou naquele voo. Passados 15 dias, ele embarcou de volta para Manaus. A bagagem não foi - e nem tinha como ser - a mesma que veio. Durante o tempo que ficou por aqui, ele esteve internado no Hospital Regional. No dia anterior ao retorno, a gratidão conseguia ser maior que a ansiedade. Seis meses depois da vinda, ela ainda é.

- Depois de seis meses que estivemos aí, eu e meus colegas, está sendo edificante, porque estou bem melhor. Me recupero bem, e minha rotina volta ao normal. A gente ficou um pouco abatido devido à Covid. Mas minha rotina é trabalho e tudo tem dado certo. Apesar da idade, Deus dá a força para gente. Tenho somente a agradecer - diz.

Foto: Renan Mattos (Diário)

LEIA TAMBÉM
'Vidas que precisam de Santa Maria', diz enfermeiro santa-mariense que viajou com manauaras
Com alta dos pacientes, familiares que atravessaram o país por conta própria planejam o retorno
11 amazonenses que estavam internados em Santa Maria voltam para o Norte
Três pacientes continuam no hospital e ainda não têm data para voltar ao Amazonas
Paciente viajou três dias de barco e voou 4 mil quilômetros para encontrar 'anjos gaúchos'

Os pacientes não foram os únicos manauaras que cruzaram o país. Na época, por causa do contexto da pandemia, nenhum podia ter acompanhantes. Houve familiares que vieram por conta própria para tentar minimizar os 4.376 km que separam Manaus e Santa Maria.

A filha de João, Ana Karolina Almeida Simões, 27 anos, fez o trajeto sem conhecer nada sobre o Coração do Rio Grande. A única informação que ela tinha era que seu pai iria para o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm). Foi por isso que ela reservou um quarto em uma pousada, no Bairro Camobi. Apenas quando chegou no Husm, Ana soube que o pai estava no Hospital Regional. Depois de atravessar o país de Norte a Sul, ela precisou cruzar Santa Maria de leste a oeste.

- Não foi uma fase fácil, mas Deus nos abençoou. Só quem passou por isso sabe. E hoje a gente retomou nossa rotina. Tentamos não permitir que ele faça muito esforço físico ainda. No próximo mês ele vai tomar a segunda dose - diz com otimismo, ainda que reconhecendo a necessidade de cuidados pós-Covid.

Enquanto Ana buscava ficar próxima do pai, a mãe dela, Suzenir Almeira Simões, 61 anos, também contraiu o coronavírus. Coube à irmã de Ana, Suelen Carolina Almeida Simões, 31, cuidar da família no Norte, enquanto Ana fazia o mesmo no Sul. Hoje, Suzenir não tem sequelas.

Foto: Pedro Piegas (Diário)
Ana passou quase duas semanas em Santa Maria e atualizava colegas de trabalho sobre a situação do pai

LEIA TAMBÉM
Amazonense internada no Hospital Regional recebe alta - Saúde
Mais uma paciente de Manaus recebe alta de hospital de Santa Maria
Após dois meses, paciente que veio de Manaus volta para casa
VÍDEO: Manauara tratada para Covid em Santa Maria volta para casa nesta quarta

MAIS TEMPO
Dos 15 pacientes que vieram, 12 tiveram alta em 15 dias. Foram 11 os que retornaram em 17 de fevereiro. A professora Angela Kinuko Kamezaki, 34 anos, ficou para "provar o churrasco gaúcho e conhecer municípios da região com o marido" e voltou.

Sem escolha, os outros três precisaram de mais tempo internados. Onélia Pantoja de Farias, 67 anos, teve alta em 1º de março. Jaqueline Araújo Maciel, 48, foi a penúltima, em 12 de abril.

Quem mais ficou foi Valdenora Costa Brito, 58. A partir de 1º de maio, ela poderia ter alta. Porém, a amazonense precisava de uma cadeira de rodas para voltar. O Diário contou a necessidade na época. 10 dias depois, uma doação permitiu que Valdenora viajasse de volta ao Norte.

Atualmente, segundo boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, a média móvel de casos confirmados é 79% menor que o registrado em 10 de fevereiro em todo estado (de 2.459 para 496). Já a média diária de internações em UTI de pacientes com Covid-19 foi de 187,9 para 18,7, queda de 90%.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190