pesquisa

UFSM estuda tratamentos para combater a Covid-19

Trabalhos são realizados no Laboratório de Microbiologia

Natália Müller Poll
Foto: Foto: Arquivo pessoal


Foto: Arquivo pessoal

O Laboratório de Neuroimunofarmacologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) está investigando possíveis fármacos para tratamento do novo coronavírus. A pesquisa é coordenada pela professora de imunologia do Departamento de Microbiologia e Parasitologia da UFSM, Micheli Mainardi Pillat, e a equipe é composta por 10 integrantes, entre eles, professores, mestrandos e doutorandos dos cursos de pós-graduação em Farmacologia e Ciências Farmacêuticas.

Brasil anuncia que vai comprar 46 milhões de doses da CoronaVac

Conforme a coordenadora, os fármacos que estão em investigação são produtos aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), amplamente disponíveis no Brasil e apresentam poucos efeitos colaterais. Esses medicamentos poderiam ser uma alternativa rápida para o contexto da pandemia.
Atualmente, as pesquisas buscam avaliar os efeitos de cinco medicamentos em células pulmonares humanas infectadas pelo novo coronavírus. A biomédica Jéssica Couto, doutoranda em farmacologia explica o estudo:
- A busca por medicamentos é de suma importância, mesmo que tenhamos vacina daqui algum tempo. Assim, o tratamento do paciente com Covid será mais eficiente

Santa Maria registra 50 novos casos de coronavírus

RESULTADOS

Nos últimos meses, Micheli publicou artigos científicos envolvendo a Covid-19. Um deles teve grande repercussão mundial no contexto da pandemia, sendo mencionado em mais de 4 mil websites até abril deste ano.
- Esse artigo foi publicado em revista internacional. Ele foi o primeiro a sugerir a molécula CD147 como alvo terapêutico para o coronavírus e propôs o mecanismo antiviral da azitromicina através desse alvo como uma possibilidade - conta Micheli.

Espaços do Centro e instituições de saúde recebem sanitização nesta quarta-feira

Ela explica que, atualmente, são feitas análises dos níveis de proteínas nas células e nas amostras de pacientes que tenham o vírus, sem exigir a presença do vírus vivo.
Entretanto, para comprovar a ação dos medicamentos contra a doença, é necessário realizar os experimentos com o vírus vivo em Laboratórios de Biossegurança 3 (NB-3). A compra dos reagentes para a pesquisa é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs), mas o laboratório só existe na Capital. E isso tem causado lentidão e dificultado a realização dos estudos.
- Infelizmente, as pesquisas do interior do Estado vêm se restringindo a microrganismos de baixo risco para os humanos. Além do entendimento do novo coronavírus, um laboratório NB-3 propiciaria inúmeros estudos futuros, com diversos agentes infecciosos letais, como a Influenza A/H1N1, Zika Vírus, HIV e Mycobacterium tuberculosis - conta Micheli.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190