coronavírus

Proporção de mortes de idosos a partir 80 anos é o menor já registrado em toda pandemia

Queda percentual no número de mortes é atribuída, principalmente, aos efeitos da vacina contra Covid-19

Foto: Foto: Renan Mattos (Diário)

Foto: Renan Mattos (Diário)
Grupo etário começou a ser vacinado em fevereiro

Uma queda percentual no número de mortes causadas pelo novo coronavírus em pessoas a partir dos 70 anos já é atribuída, principalmente, aos efeitos da vacina contra Covid-19. Em idosos com 80 anos ou mais, o primeiro grupo etário a receber a imunização, percebe-se a mais significativa redução gradativa desde o mês de fevereiro, quando foi aplicada a primeira dose da vacina.

Óbitos por Covid-19 em pessoas de 50 a 59 anos aumentam 217% em Santa Maria

À época, o percentual de óbitos era de 25,5%. Em março, foi de 19,9% e, em abril, 12,3%. O percentual é o menor já registrado para o grupo etário durante toda a pandemia. As informações são do Centro de Referência Municipal da Covid-19. Nas pessoas a partir de 70 anos, também houve queda: 17,9% em março e 15,5% em abril.

Fiocruz recebe nova remessa de insumo para produção de vacina

Desde o primeiro registro de morte, em 14 de maio do ano passado, até 31 dezembro, quando a cidade totalizou 152 óbitos, a população de 70 a 79 anos, e a faixa etária acima dos 80 anos, juntas, somavam mais da metade do total de mortes pela doença.

- A população acima dos 70 anos é a única com cobertura vacinal completa e já com um certo tempo de imunização, o que nos permite avaliar esses resultados. Vemos, sim, que a vacina já começa a proteger, pois no período mais difícil da pandemia, com maior número de casos e de óbitos, as mortes reduziram na faixa etária dos 70 e ainda mais na dos 80, que foram os primeiros imunizados - analisa o médico epidemiologista Marcos Lobato, responsável técnico pelo Centro de Referência Municipal da Covid-19 e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Cadastro para vacinação de acamados com 18 anos ou mais encerra nesta terça

Segundo o epidemiologista, o distanciamento, o uso de máscara e os protocolos sanitários ainda são cruciais. Isso porque a tardia cobertura vacinal no país ainda é longe da ideal. Com número de vacinados ainda baixo e a circulação de pessoas intensa, a probabilidade de as cepas - variações dos vírus - selecionarem alguém e ser mais resistente à vacina é alta.

As ações de vacinação seguem na cidade, neste momento, com aplicação de imunizantes em pessoas com comorbidades. A primeira dose desenvolve imunidade parcial. Já resposta celular, além de anticorpos, se dá com mais eficácia a partir da segunda dose, cerca de duas semanas após a aplicação.

Na última sexta-feira, o boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz mostrou aumento das notificações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sobretudo, na população mais jovem. Os casos de SRAG são responsáveis por incidências graves de doenças respiratórias, que demandam hospitalização ou levam a óbitos. São atualmente em grande parte devido a infecções por Sars-CoV-2. Outro dado preocupante é que, pela primeira no Brasil, a mediana da idade de internações em UTIs de todo o país esteve abaixo dos 60 anos. Os pesquisadores alertam que o ano de 2021 vem, a cada semana, apresentando "rejuvenescimento" da pandemia.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190