Epicovid-19

Pesquisa aponta que 1 a cada 5 gaúchos já foram infectados pelo coronavírus

Número é quase o dobro da rodada anterior, realizada em fevereiro no Estado

18.294

Foto: Anselmo Cunha (arquivo/ Diário) 

O resultado da 10ª fase da Epicovid, o estudo que faz um raio-x de como o coronavírus se comporta no Estado, foi divulgado nesta quinta-feira pelo médico epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), coordenador da pesquisa. Enquanto a primeira rodada do estudo, em abril do ano passado, terminou com dois testes positivos em todo o Estado, a 10ª rodada terminou com 807 testes positivados. Isso significa que 1 a cada 5,5 habitantes do Rio Grande do Sul apresentou anticorpos, ou seja, já foram expostos ao coronavírus. Esse dado é praticamente o dobro da rodada anterior, de fevereiro, quando a pesquisa apontou 1 a cada 10 gaúchos expostos ao vírus.Isso significa um universo de 2 milhões de gaúchos contaminados. 


Santa Maria, uma das cidades que participa do estudo com apoio da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), tem a prevalência de 18,2% entre a população. 

RESULTADO DA VACINA 
Desde que começou a vacinação no Estado, o questionário dos pesquisadores inclui perguntas sobre a vacinação.

- No geral, 26% das pessoas entrevistadas já tomaram pelo menos uma dose da vacina. Quando a gente olha para os dados oficiais, isso fica muito próximo, o que confirma que o Epicovid está conseguindo pegar uma amostra representativa do Estado. E o melhor é ver que das pessoas com 80 anos ou mais, 94,3% delas tomaram pelo menos uma dose. Isso significa que a campanha anti-vacina não teve resultado e que as pessoas querem a vacina - disse Hallal. 

360 mil doses que chegariam na sexta são entregues no Aeroporto Salgado Filho

O epidemiologista explica que, com a prevalência média de 18% de gaúchos contaminados pela Covid-19, a população não atingiu uma imunidade coletiva: 

- Estamos longe do conceito de imunidade coletiva. Hoje, somando curados e infectados, 18% tem anticorpos. Para chegar na imunidade coletiva é preciso chegar a 70%. Quem acredita no que chamamos de imunidade de rebanho, precisa entender que estamos longe disso - afirmou Hallal.

A realidade para controlar o vírus é vacinar com as duas doses começando pelos grupos de mais risco, que é o que está acontecendo. O distanciamento também ajuda a manter a taxa de transmissão sob controle. 

NOVAS RODADAS 
A equipe responsável pelo estudo tem interesse em organizar novas rodadas, mas esbarra na questão do financiamento. Os pesquisadores buscam financiamento e parceiros para pelo menos a 11ª fase. 

DIFERENÇA NOS NÚMEROS
Enquanto a Epicovid, que trabalha com uma amostragem de pessoas, aponta que cerca de 2 milhões de gaúchos já tiveram coronavírus, os dados oficiais da secretaria estadual de Saúde apontam 962 mil casos positivos. Segundo Hallal, essa diferença já foi maior em fases anteriores da pesquisa e ele explica a diferença: 

- O resultado pode ser visto como uma má notícia, mas, na verdade, esse resultado é uma boa notícia. Lá no começo da pandemia era 12 vezes mais a diferença nos números, depois foi diminuindo. Significa, sim, que tem muita gente que tem Covid-19 e não tem resultado positivo, os casos assintomáticos. Mas esse número está diminuindo ao longo do tempo e isso significa que as secretarias estão conseguindo identificar mais as pessoas com a doença. 




fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190