setor empresarial

Medidas mais restritivas são duramente criticadas

Governo do Estado classificou todo o Rio Grande do Sul como bandeira preta dentro do modelo de Distanciamento Controlado

18.404
Foto: Foto: Pedro Piegas (Diário)

Foto: Pedro Piegas (Diário) 

Há um ano enfrentando duras penas em função das medidas restritivas devido à pandemia, entidades representativas do setor empresarial de Santa Maria fazem fortes críticas em relação à decisão do governo do Estado em suspender a cogestão e classificar todas as regiões com bandeira preta no modelo de Distanciamento Controlado.

O presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços (Cacism) de Santa Maria, Luiz Fernando Pacheco, diz que as restrições chegaram a um nível "insustentável".

- Os relatos que chegam para nós são muitos sérios e de pessoas desesperadas. A situação está chegando a um limite insustentável e, se alguma coisa não for feita em defesa das empresas e dos empregos, muito em breve, talvez tenhamos que tomar medidas mais drásticas para acordar uma maioria que, talvez, hoje esteja silenciosa - sustenta Pacheco.

Central de UTIs do Husm abre as portas e recebe os primeiros pacientes com coronavírus

O dirigente relata a preocupação com as severas medidas restritivas que estão sendo adotadas há um ano na cidade e que, mesmo assim, os índices da pandemia não baixam.

- Faz um ano que tu tratas um doente com certo tipo de remédio e, depois desse ano, a gente piorou e nunca estivemos tão ruins. Acho que devemos repensar o remédio que está sendo dado. Temos duas situações muito graves. Uma é a doença e a outra é a questão das medidas que estão gerando essa crise e que, sinceramente, não vejo efeito - finaliza.

Para a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Santa Maria, Marli Rigo, o governador Eduardo Leite (PSDB) está sendo inflexível nas regras do modelo de Distanciamento Controlado.

- Sabemos da gravidade da situação e sabemos que existe um grande número de pessoas nos hospitais. Mas, também, estamos preocupados com a saúde das empresas. É muito preocupante que o governador tirou a cogestão e, consequentemente, a autonomia do prefeito. Nós, empresários, agora, não temos a quem recorrer - relata.

Bandeira preta: entenda as regras de funcionamento que valem a partir de sábado

CONSTRUÇÃO
Pelo decreto, a construção civil poderá atuar com teto de ocupação de 75% de funcionários. Para o presidente do Sindicato da Construção Civil de Santa Maria (Sinduscon), Samir Samara, o impacto da medida será negativa para o setor. Ele argumenta que não é na construção civil que se dá o contágio, já que o trabalho ocorre, majoritariamente, em ambientes abertos. A restrição pode gerar mais custos e atrasos de cronogramas.

- Um dos principais prejuízos vai ser no número de empregos, isso vai acarretar mais para a frente. As empresas não vão suportar, todas estão sofrendo com os impactos - relata.

*Colaborou Felipe Backes


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190