pesquisa

Especialistas criticam pesquisa do Ministério da Saúde sobre prevalência do coronavírus

Custo do trabalho, em comparação com a Epicovid, é considerado caro. UFPel lamenta que o estudo pioneiro no país não tenha sido lembrado pelo governo federal

Leonardo Catto
Foto: Foto: Renan Mattos (Diário)

Foto: Renan Mattos (Diário)

O anúncio do Ministério da Saúde para uma pesquisa da presença de anticorpos para Covid-19 a nível nacional pegou de surpresa a coordenação do Epicovid-19, estudo epidemiológico coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). A PREV COV, anunciada na quarta-feira, terá custo de R$ 200 milhões.

RS recebe nova remessa com 243 mil doses de vacina contra a Covid-19

Em nota, a coordenação ressaltou que não houve contato com a equipe científica feito pelo ministério, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ou Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os pesquisadores lamentam que não houve também menção ao Epicovid, maior estudo epidemiológico sobre o coronavírus no Brasil e pioneiro no país.

Foram três fases do Epicovid com financiamento do Ministério da Saúde. Porém, em junho de 2020, o ex-ministro Eduardo Pazzuello anunciou que o financiamento não seria mantido. A coordenação do estudo defende que houve entrave político, o que, segundo a nota divulgada nesta quinta-feria, também é o motivo da apresentação do PREV COV não ter reconhecido o trabalho já feito pelo Epicovid.

- Aliás, tivesse ouvido a ciência desde o começo da pandemia, o Ministério da Saúde poderia ter salvado a vida de milhares de brasileiros que morreram em consequência da resposta desastrosa do Brasil à pandemia de coronavírus - conclui a nota.

Primeira dose em pessoas com Síndrome de Down será aplicada nesta sexta-feira

O levantamento do PREV COV prevê a testagem sorológica, que identifica a presença de anticorpos, em 211.129 pessoas, de 274 municípios, incluindo capitais e suas respectivas regiões metropolitanas.

CRÍTICAS
O infectologista Alexandre Zavascki, professor de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) criticou, em um post no Twitter, a necessidade desta pesquisa neste momento da pandemia. O chefe do Serviço de Infectologia do Hospital Moinhos de Vento, na Capital, lamenta, inclusive, que o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) não teve nenhum edital de pesquisa aberto em 2021.

- R$ 200 milhões para financiar um único estudo? E de soroprevalência! A essa altura do campeonato acrescentará o que ao conhecimento? E o CNPq à míngua, sem nenhum edital de pesquisa em Covid este ano. Mais uma vez: inacreditável - escreveu.

Butantan deve entregar mais 1 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde

Ex-reitor da UFPel, o epidemiologista Pedro Hallal coordena o Epicovid desde o ano passado. Também no Twitter, Hallal comparou o custo da pesquisa que conduz com o proposto pelo governo federal.

- O Epicovid-19-RS completou 10 fases, em 12 meses, com R$ 5 milhões (45 mil participantes). O Epicovid-19-BR completou 5 fases, em 11 meses, com R$ 40 milhões (245 mil participantes) - disse.

O custo somado das duas pesquisas, segundo Hallal, é de R$ 45 milhões. Isso representa apenas 22,5% do custo do PREV COV. Juntos, os estudos tiveram 290 mil participantes.

EPICOVID-RS
O estudo foi iniciado em março de 2020, duas semanas depois da primeira morte por Covid-19 no Rio Grande do Sul. Já foram feitas 10 fases até abril de 2021. No Estado, fora entrevistados e testados 45 mil gaúchos. A nível estadual, a pesquisa tem apoio do governo gaúcho e é feita em parceria com 13 universidades, entre elas a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Começa vacinação de pessoas com comorbidades de 50 a 59 anos

O Epicovid-19-RS teve financiamento de Unimed Porto Alegre, Instituto Cultural Floresta, Instituto Serrapilheira, Banrisul e Todos pela Saúde. Os resultados das primeiras fases do projeto foram publicados na revista científica Nature Medicine. Um artigo científico analisando os resultados das fases 1-8 foi recentemente aceito para publicação no American Journal of Public Health. Outra publicação, descrevendo os resultados das fases 9-10 está em preparação. Todos os resultados foram divulgados em coletivas de imprensa em parceria com o governo estadual.

EPICOVID-BR
Até junho de 2020, o Ministério da Saúde manteve o financiamento do Epicovid-19-BR, durante três fases. No segundo semestre, com o corte no custeio pelo ministério, a 4ª fase do Epicovid-19-BR foi conduzida com financiamento do Todos pela Saúde. Já em 2021, a 5ª fase da pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

No total, foram entrevistados e testados 245 mil brasileiros. Dos R$ 40 milhões investidos na pesquisa nacional, R$ 12 milhões foram pagos pelo Ministério da Saúde. O estudo já teve seus resultados publicados nas revistas científicas Lancet Global Health, Revista Panamericana de Salud Publica e Vaccine.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190