polêmica

Complexo Hospitalar Astrogildo de Azevedo restringe entrada de profissionais externos na maternidade

Enfermeiras obstétricas, doulas e fisioterapeutas que acompanham gestantes não podem estar presentes nos partos. Medida, de acordo com a gestão do hospital, visa evitar contaminações por Covid-19

Jaiana Garcia

Foto: Marcelo Oliveira (Diário)

Uma medida adotada pelo Complexo Hospitalar Astrogildo de Azevedo tem gerado polêmica nas redes sociais entre profissionais que defendem o parto natural e gestantes. Em documento interno, enviado em 7 de janeiro aos médicos obstetras que atuam no hospital, a diretoria da instituição comunica que "as parturientes que terão parto normal deverão ser assistidas exclusivamente pela equipe de enfermagem e técnicos da instituição". Enfermeiras obstétricas, doulas e fisioterapeutas, por exemplo, que acompanham gestantes durante o pré-natal, estariam impedidas de entrar nas maternidade durante o trabalho de parto. O diretor técnico do complexo hospitalar, Luiz Gustavo Thomé, que assinou o documento ao lado da diretora clínica, Jane Costa, explica que a decisão partiu da preocupação com os altos índices de contaminação pela Covid-19 nos últimos dias. Os profissionais autônomos divulgaram uma carta aberta pedindo a revogação da nota que restringe o acesso de profissionais no momento do parto e criaram um abaixo-assinado. Um trecho da carta diz que "proibir, então, a atuação e presença desses profissionais para o acompanhamento do trabalho de parto e parto na instituição, fornecendo apoio emocional e transmitindo segurança e confiança para a família, em vista do vínculo previamente criado, claramente não beneficia as mulheres gestantes".

Hospitais de Santa Maria estão com restrições para visitas a pacientes

- O Hospital não é contra doula e parto normal. Não interferimos na conduta médica. Não estamos bloqueando a entrada. Estamos abertos a conversar. Se o médico vier aqui e disser que a gestante precisa da presença da doula, vamos conversar. Não é uma violência obstétrica, bem pelo contrário. Estamos oferecendo os nossos profissionais internos capacitados - garante Thomé.

O hospital, que possui a maior maternidade da Região Central, realiza cerca de 130 partos por mês. Mais de 90% deles são cesarianas. O complexo hospitalar também possui UTI neonatal, referência para a região. Outra preocupação exposta pela direção é quanto à regulamentação do trabalho de profissionais externos dentro da maternidade. Thomé explica que a instituição pretende normatizar a atividade dos profissionais terceirizados nas salas de parto. 

- Preciso de normas para garantir a segurança dos nossos funcionários e das gestantes e dos bebês. Houve esse aumento de casos de Covid-19. Nós vamos usar as nossas doulas, temos enfermeiras com esse treinamento. Não é que a gestante vai chegar aqui e não vai ter o parto humanizado e natural que deseja. Ela vai ter, mas com os nossos profissionais. Nós entendemos que é importante, em um parto que dura horas, ter uma pessoa de confiança ao lado - afirma.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE E GESTANTES SÃO CONTRA DETERMINAÇÃO
Por outro lado, as profissionais terceirizadas contratadas e as próprias gestantes questionam que o hospital não está garantindo o direito da mulher de escolher quem a acompanha no parto. As enfermeiras, doulas e fisioterapeutas auxiliam com o apoio emocional e físico durante o parto. Elas garantem que os desejos da gestante para o momento do nascimento do bebê sejam cumpridos. O trabalho começa antes da chegada ao hospital, ainda na casa da mulher, quando ela entra em trabalho de parto. A partir do momento em que o trabalho se torna ativo, a enfermeira vai até o hospital com a gestante. Estas profissionais não executam serviços técnicos, como o monitoramento dos batimentos cardíacos, por exemplo, durante o processo de nascimento do bebê.

A enfermeira obstétrica e doula Ana Paula Perlin, que atua na Gestar Nascer Amar, avalia a determinação do hospital:

- As mulheres estão se mobilizando em todo o país pelo direito ao parto humanizado e normal, que é o ideal para a saúde de mães e bebês. Quem gostaria de ter parto normal está abalada com essa decisão. Foi criado um vínculo conosco, elas estavam seguras de que estaríamos no parto, e isso não vai acontecer. Não deixa de ser uma violência obstétrica porque estão impedindo que a mulher escolha quem vai poder a acompanhar no parto - avalia.

Nesta quinta-feira, Ana Paula conseguiu uma liminar na justiça garantindo a presença nos partos das pacientes que acompanha. O despacho cita a lei 11.108/2005, denominada de Lei do Parto, que garante às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto. A presença, de acordo com a lei, não é "mera faculdade que fica a critério do médico ou do hospital, mas sim um direito da parturiente e de seu acompanhante". A proibição de entrada da enfermeira pode resultar em multa de R$ 1 mil por dia ao hospital. 

Em duas semanas, hospitalizações clínicas por Covid sobem de 7 para 29 em Santa Maria

A enfermeira obstétrica Lidiane Carvalho de Souza, que trabalha na equipe da Bem Nascer SM, diz que a proibição de entrada já havia acontecido no começo da pandemia, quando a doença ainda era desconhecida e os testes eram escassos. Ela conta que o teste de Covid-19 negativo sempre foi uma exigência do hospital. A enfermeira recebeu a notícia com surpresa e reclama da falta de justificativa para a medida.

- Não estávamos esperando. Não houve nenhuma explicação ou justificativa. Tentamos contato por email com o hospital, mas não obtivemos resposta. Nossas pacientes ficaram muito abaladas, ansiosas e frustradas. A pandemia já teve um estado muito mais alarmante. Não acho que seja uma justificativa plausível. Existem maneiras de barrar a contaminação sem precisar proibir nossa entrada. A política de saúde da mulher inclui também o sistema privado, e um dos direitos é ter uma equipe multiprofissional acompanhando o parto. É uma das formas de combater a violência obstétrica. 

INSEGURANÇA EM GESTANTES
A personal trainer Luiza Peixe (foto ao lado com o marido Lucas Amorim), 30 anos, grávida de 39 semanas, pretende ter a filha no hospital. A data prevista de parto é 19 de janeiro, na próxima semana. Ela conta que tomou um susto quando viu a nota da instituição nas redes sociais. A gestante tem sido acompanhada por um enfermeira obstétrica desde a 30ª semana de gestação. 

- Levamos um susto, estava tudo certo, dentro do programado. Nos preparamos para ter um parto normal, com o auxílio que a gente precisa. Agora estou submetida a uma equipe que não conheço, sem o apoio que a enfermeira obstétrica que nos acompanha nos daria. Bate uma insegurança. Já criamos um vínculo afetivo, de confiança, ela (enfermeira obstétrica) nos explicou tudo do pré-parto, parto e pós-parto. Tudo que eu sinto, ela me atende de imediato. Eu teria que escolher entre o pai da minha filha e a enfermeira obstétrica. Inicialmente, os dois iriam entrar e ficar comigo - relata.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190