educação especial

Acolhimento e inclusão fazem da Apae um lar para quem precisa

Instituição faz 55 anos, e mães de crianças atendidas falam da importância do trabalho feito pela equipe

18.409

Pelos corredores de paredes brancas, se ouve uma porção de sons, muitos deles de incentivo, risadas, alguns gritos e conversas. Longe de se parecer com um hospital, a sede da Apae de Santa Maria transborda sentimentos de esperança e acolhimento, tanto por atendidos quanto pelos voluntários e funcionários.

Leia também: 
Apae Santa Maria completa 55 anos

Atualmente, um pouco afastados e de máscara, em função da pandemia, o clima é de muito trabalho nos três pilares em que a instituição se apoia: Turmas de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, Escola de Educação Especial Jandira Tolentino e Centro Especializado em Reabilitação Física e Intelectual. Atualmente, atende em média 500 crianças e adultos por semana, num total de 5 mil pessoas atendidas no geral.

GRATIDÃO
Thales da Silveira, Pedro Barros, Nícolas Karkueszesweski e José Pedro Ronzani, têm em comum, além de precisar de cuidados especiais, o atendimento e o carinho da equipe da Apae. Acompanhados de suas mães, frequentam todas as semanas as sessões de atividades físicas e brincadeiras, onde desenvolvem as atividades motoras e de relações com as pessoas.

Fotos: Fabiano Marques (Diário)
Há um ano, Thales participa das atividades na Apae 

Raquel Ferreira da Silveira, de 39 anos, só tem a agradecer aos profissionais envolvidos no tratamento de seu filho, que é autista.
- É muito importante, ele não tinha desenvolvimento. Depois que comecei a trazer ele, há um ano, ele desenvolveu muito. O pessoal é muito carinhoso, dá bastante atenção. Ele está muito diferente depois que ele veio para a Apae, é muito bom - avalia a mãe de Thales.

Lauri Hélio Balzan, de 70 anos, é costureiro e vem de Agudo para cuidar da próteses que usa após ter parte de uma das pernas amputada.
- Faz uns quatro anos que venho aqui. Eu tinha uma prótese que quebrou, e agora o rapaz já está resolvendo. Aqui a gente é bem atendido e as pessoas são muito atenciosas - elogia.


Pedro, de 3 anos, também faz acompanhamento na instuição

A dona de casa Simone dos Santos Barros, 33 anos, não segura a emoção quando fala da importância da instituição para a vida de seu filho de 3 anos, Pedro, que nasceu com Síndrome de Down. Com olhos lacrimejando, não poupa elogios à equipe:

- A Apae é praticamente a segunda casa dele. Aqui a gente tem toda a orientação do que precisa fazer em casa para continuar o tratamento. E aqui o ambiente é muito acolhedor desde a portaria até o atendimento. Até de pensar que, um dia, o Pedro vai parar de fazer as terapias, já sinto falta, porque é como se fossem parte da nossa família.

Nícolas também conta com o profissionalismo da equipe 

Gisele Karkueszesweski, 31 anos, ressalta a mudança que o convívio na Apae trouxe ao seu filho Nícolas, 3 anos, após ele ser diagnosticado com autismo, pois sem a ajuda dos profissionais, era difícil lidar com a condição do filho.

- A gente sofria muito. Quando comecei a trazer ele aqui, ele começou a falar, ficou mais tranquilo, ele obedece, ele brinca com outras crianças. Em casa ele é uma criança bem mais acessível de lidar. O carinho que elas têm com ele, para mim, é gratificante. A gente sabe que com esse cuidado nossos filhos vão estar prontos para enfrentar o mundo apesar de suas dificuldades - relata a mãe de Nícolas.



fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190