eleições 2020

'Essa é uma democracia que não nos representa', diz candidata mais votada, que não se elegeu

Alice Carvalho concorreu pelo PSol e conquistou 3.371 votos

18.302

- Quando a gente começou o processo à vereança, a gente logo compreendeu que essa democracia não nos representa. Tivemos a candidatura mais votada e não entramos (na Câmara de Vereadores). Vários partidos tiveram vereadores quem nem fizeram votos e entraram como suplente. Fizemos uma campanha sem dinheiro, com poucos militantes e no meio de uma pandemia. Concorremos com candidaturas milionárias e mesmo assim fizemos uma votação histórica - relata Alice Carvalho, 24 anos.

A jovem concorreu pelo PSol e obteve, na eleição de 2020, a votação mais expressiva entre todos os candidatos a vereador de Santa Maria.

Alice, com 3.371 votos, obteve a maior votação entre todos 340 os candidatos a vereador. O número também foi o maior já alcançado por um concorrente pelo PSol ao Legislativo local, porém, ela não assegurou uma vaga no parlamento por conta do coeficiente eleitoral (veja quadro). Ela teve 685 votos a mais do que o vereador eleito com maior votação - Alexandre Vargas teve 2.686 votos -, mas, mesmo assim, ela não ficou nem como suplente. Como este ano, eram proibidas coligações para vereador, aumentou o risco de isso ocorrer.

_ - Isso tem sido questionado com mais frequência e alvo de inquietações no Congresso Nacional, mas não é resolvido. Eu, particularmente, penso tem de ser eleito o mais votado. Tem de ser o sistema majoritário para todo mundo e acabar com esse negócio de proteção - defende o advogado Antônio Augusto Mayer dos Santos, especialista em Direito Eleitoral, de Porto Alegre.

Ele cita outro caso, de 2010, em que Luciana Genro (PSol) foi a deputada mais votada do país e não foi eleita.

De aliados a oponentes, segundo turno tem Cechin e Pozzobom em Santa Maria

Na prática, ela não assegurou uma vaga no parlamento da cidade por conta do coeficiente eleitoral. Isso porque, em Santa Maria, por lei, cada partido deveria ter, no mínimo, cerca de 7 mil votos para eleger um vereador. O número é resultado da divisão da quantidade de votos válidos da última eleição, em 2016, dividido pelo número de cadeiras na Câmara. Como o PSol não atingiu a marca na cidade, não teve direito a eleger ninguém


- Eu saio com sentimento de vitória, independentemente da cadeira. A gente conseguiu aglutinar muitas pessoas no nosso projeto que é transformador e feito de maneira coletiva. O fato de muita gente ter acreditado nele foi muito positivo, pois com a nossa candidatura conseguimos mostrar que uma Santa Maria diferente é possível e representativa. Sou uma mulher negra, socialista de periferia, o que coloca a necessidade de mudança. Com certeza vou continuar mobilizando as mesmas pautas, mesmo não eleita. Esse votos são de todo mundo e os frutos desse movimento serão muito bem colhidos - acrescenta a jovem.

MILITÂNCIA

Moradora do Bairro Tancredo Neves, na Região Oeste, Alice tem 24 anos, é formada em Psicologia pela Universidade Franciscana (UFN) e cursa mestrado na Unisc. Em 2018, Alice concorreu a deputada estadual pelo PSol, aos 22 anos, obtendo a marca de de 6.701 votos. Ela acompanhou a apuração em casa, na companhia do pai, da mãe, do irmão, do namorado e de militantes partidários.

Bruna Bergamo - Divulgação



fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190