trânsito

VÍDEO: mesmo com liberação de viaduto, lentidão persiste no Trevo da Uglione

Obra sobre a intersecção foi inaugurado no início do mês

18.404
Foto: Foto: Pedro Piegas (Diário)

Foto: Pedro Piegas (Diário) 

Pouco mais de uma semana após a liberação do primeiro viaduto sobre o Trevo da Uglione, no entroncamento das BRs 158 e 392, os tradicionais congestionamentos no local persistem, apesar de terem reduzido em alguns momentos. A lentidão ocorre principalmente em horários de pico, como no início da manhã e no final da tarde. O problema acontece porque a maioria do tráfego de veículos se dá no sentido de quem vem de Júlio de Castilhos pela BR-287 e quer ingressar em Santa Maria ou ir até São Sepé, utilizando a BR-392. Com isso, todos eles ainda precisam usar a rotatória.


A lentidão só deve ser resolvida após a construção de trincheiras, que serão pistas abaixo do nível do solo. Pelo cronograma de obras do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit), a execução deve começar entre agosto e setembro deste ano. Já a finalização deve ficar para 2021. Elas permitirão o tráfego no sentido Júlio de Castilhos-São Sepé, e vice-versa, o que deve melhorar o fluxo das carretas que levam a produção de grãos do Centro e do Norte o Estado até o porto de Rio Grande.

Região de Santa Maria segue com bandeira laranja, mas 75% do RS vai para vermelha

Porém, antes, algumas adequações terão que ser feitas na intersecção das rodovias. O Dnit afirma que, provavelmente, terá que realizar o trancamento da rotatória. Contudo, o serviço ainda está em estudo e deve ser realizado no final de semana para não gerar transtornos ao trânsito.   

Até agora, já foram empregados R$ 38 milhões nas obras no Trevo da Uglione, que faz parte da duplicação da Travessia Urbana de Santa Maria. Para a conclusão do restante dos trabalhos no Trevo da Uglione, serão necessários mais R$ 13 milhões. A previsão do Dnit é concluir os 14,5 km da duplicação da Travessia até junho do ano que vem. Entretanto, o prazo depende da liberação de recursos da obra.

Mesmo assim, os motoristas que passam pela região notaram uma diferença em relação ao trânsito antes da liberação do viaduto. O autônomo Gilberto de Souza, 24 anos, relata que não fica mais tanto tempo parado esperando o trânsito fluir:

- Tinha dias que eu ficava mais de uma hora até conseguir passar. Agora, isso não acontece mais.

Famílias de estudantes da rede municipal receberão 35 toneladas de alimentos

LUZES ACESAS 
Esse primeiro viaduto da Uglione está sendo usado, provisoriamente, em mão dupla, até que o segundo viaduto, no sentido São Pedro-Júlio de Castilhos, fique pronto. A previsão é que ele seja concluído e liberado ao tráfego até o final de 2020. Essa primeira estrutura teve a iluminação ligada na quinta-feira, garantindo mais segurança para quem trafega pelo viaduto à noite.

Acesso à Urlândia tranca trânsito na rodovia
Na última quinta-feira, a reportagem acompanhou a movimentação do trânsito no local no final da tarde. Às 17h30min, o tráfego era tranquilo e poucos carros estavam parados esperando para passar pela rotatória, além do viaduto recém inaugurado registrar pouca circulação de veículos.

Bastou 30 minutos para a realidade mudar completamente. Passava das 18h quando os velhos problemas reapareceram. Com muitos motoristas ainda precisando utilizar o Trevo da Uglione para fazer seu trajeto, o congestionamento na BR-287 chegou até o viaduto da Rua Duque de Caxias, como acontecia antes da liberação da obra.

VÍDEO: uso de máscara em bairros de Santa Maria chega a menos de 30%

Outro problema é a lentidão que ocorre após o viaduto no sentido Júlio de Castilhos-São Pedro do Sul. Como o trânsito pela BR-287 segue em pista simples, uma longa fila se forma com os carros que saem do viaduto. Em alguns momentos, a fila de carros chegava até a metade da nova estrutura. Ela começa no acesso à Urlândia, onde muitos carros tentam acessar o bairro, mas o recuo central não comporta todos os veículos. Com isso, a pista principal da rodovia fica trancada até que os carros da frente consigam entrar na Urlândia. Esse problema só deve ser resolvido quando for construída a passagem inferior nesse local. Ela é uma espécie de túnel por baixo da rodovia e permitirá o acesso à Urlândia sem trancar o tráfego sobre ela. Porém, para que a obra inicie, o Dnit precisa retirar duas casas às margens da BR. Como a Justiça Federal está sem atendimento presencial, não há previsão de quando as audiências de conciliação serão feitas para decidir sobre essa remoção das moradias.

O Dnit quer concluir toda a Travessia Urbana até junho de 2021 - se tudo correr bem, até lá, a passagem inferior de acesso à Urlândia estará pronta.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190