8 anos da tragédia

Sirenes tocam em memória às vítimas da boate Kiss

Por conta da pandemia, neste ano, homenagens serão à distância. Sirenes relembram o incêndio e o socorro às vítimas

Jaiana Garcia
Foto: Foto: Ancelmo Cunha (especial/Diário)
Isabel, mãe de Maria Mariana, 18 anos, vítima da Kiss, foi a única que esteve no local nesta madrugada

Foto: Ancelmo Cunha (especial/Diário) / Isabel, mãe de Maria Mariana, 18 anos, vítima da Kiss, foi a única que esteve no local nesta madrugada

Duas velas acesas e um silêncio que ensurdece. A Rua dos Andradas, umas das mais movimentadas do Centro de Santa Maria, dá lugar ao vazio que não consegue ser preenchido. A tragédia da Boate Kiss completa oito anos nesta quarta-feira com a sensação de impunidade, palavra estampada na nova arte da fachada e que não sai da boca dos familiares das vítimas.

MP recorre ao STJ na tentativa de trazer julgamento do caso Kiss a Santa Maria

Por conta da pandemia, as tradicionais homenagens ficaram restritas. A orientação da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia (AVTSM) é que os pais permanecessem em casa. As homenagens foram programadas para acontecerem à distância.

Nesta madrugada, às 2h30min, momento em que o incêndio teria começado na boate, sirenes tocaram oito vezes em memória às vítimas.

A única família que esteve no local foi a de Isabel dos Reis Rodrigues, mãe de Maria Mariana, de 18 anos, vítima do incêndio.

- Eu sempre digo que é uma dor sem nome, a dor de perder um filho. No decorrer da vida nós vamos perder outras pessoas, mas um filho é uma dor que não tem igual. Minha filha era uma menina sadia. Não tem aceitar - lamenta.

Foto: Ancelmo Cunha (especial/Diário)

A expectativa é para o julgamento dos quatro réus do caso, adiado em função da pandemia. Elissandro Spohr, Mauro Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão devem ser julgados em Porto Alegre, ainda sem data definida.

- Cada ano que passa, sentimos essa dor mais forte. É massacrante essa demora da justiça. Esperamos que o júri aconteça ainda este ano, mesmo que seja no fim do ano, porque temos consciência da gravidade da pandemia. Queremos ter condições de acompanhar o julgamento de quem matou nossos filhos, por isso teremos paciência - disse o presidente da AVTSM, Flavio Silva.

Ainda nesta quarta-feira, uma live com artistas nacionais está prevista para às 20h. A mediação será do jornalista Marcelo Canellas, com a participação de Cristiane Torloni, Dira Paes, Glória Perez, Tony Ramos, Ligiane Righi, mãe de vítima, e Jair Krischke, jurista. A transmissão será feita pelo Facebook da AVTSMSantaMaria.



fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190