faltam 4 dias

Sócio da Kiss, Mauro Hoffmann evita aparecer e dar entrevistas

Entre os quatro réus do caso Kiss, ele é o que adota a postura mais reclusa desde o incêndio de 27 de janeiro de 2013

Leonardo Catto
Foto: Foto: Gabriel Haesbaert (Arquivo/Diário)
Mauro Hoffmann em um casamento, em Santa Maria, no ano de 2015

Foto: Gabriel Haesbaert (Arquivo/Diário)
Mauro Hoffmann em um casamento, em Santa Maria, no ano de 2015

A quatro dias para o começo do júri do caso Kiss, os quatro réus do processo adotam diferentes medidas diante da exposição. A reportagem do Diário tentou contato com as defesas de Elissandro Spohr (o Kiko), Mauro Hoffmann, sócios da boate, e Marcelo de Jesus e Luciano Bonilha Leão, integrante e roadie da banda Gurizada Fandangueira, que tocava na Kiss na madrugada do incêndio.

Entre os quatro réus, Mauro Hoffmann é o mais recluso. Fontes do Diário afirmaram que ele estaria morando em Santa Catarina. A informação não foi confirmada pela defesa. Na época do incêndio, ele tinha 47 anos.

LEIA TAMBÉM
'Um dos responsáveis pelo assassinato da minha filha me arrolou como testemunha', diz pai de vítima da Kiss
Em coletiva de imprensa, advogado de Elissandro Spohr apresenta nova maquete interna da boate
Ex-prefeito Cezar Schirmer silencia sobre júri da Kiss

Na entrevista, os advogados Bruno Seligman de Menezes e Mário Cipriani afirmam que não podem falar sobre a vida pessoal do cliente, e isso é um acordo com o próprio réu. Os dois demonstram destreza ao falar sobre o processo e o posicionamento da defesa. O entrosamento contribui para que as falas dos dois fluam e um complete o outro em sequência.

- Nós, como advogados, não temos autorização para falar situações que já estão informadas nos autos. Estamos abertos a falar qualquer situação que se refere ao processo. São situações que não são agradáveis - diz Cipriani.

Tão logo o colega encerrou a fala, Seligman emendou o porquê disso:

- Ele é uma pessoa conhecida na cidade. Desde que o episódio aconteceu, ele se resguardou, passou a conviver no núcleo familiar e não aparecer. Tanto que ele foi o único dos réus que nunca deu entrevista, nunca fez questão de dar sua versão.

O compromisso do réu com a Justiça é reforçado pelos advogados. A presença dele no júri também foi reiterada.

- Sempre que chamado no Poder Judiciário, ele esteve presente. Estará no dia de abertura da sessão plenária. E falará aos jurados e presentes. Vai dar suas alegações, que são necessárias. E terá sua fala explicada ao mundo todo - diz Cipriani.

Questionados sobre como Mauro acompanha o processo e se lê comentários sobre o caso em redes sociais, Cipriani voltou a repetir que não tem conhecimento sobre as atividades pessoais do cliente. Seligman, contudo, garante que Mauro não é alheio aos trâmites.

- Ele acompanha o andamento do processo. Ele sabe tudo que acontece no processo, estuda, participa e discute os rumos da defesa - fala.

Cipriani, então, completa:

- Aquilo que é divulgado em redes sociais sobre o processo, nós também acompanhamos. E sempre estamos em constante diálogo.

Seligman retoma outra vez à questão de não divulgar informações do cliente.

- Não tratamos questões pessoais com ele. Tratamos questões relacionadas ao processo.

A responsabilidade do incêndio é colocada como resultado de uma "sucessão de fatores" pela defesa. Outro argumento é que nem todos os que deveriam estão no banco dos réus.

- Evidentemente que tem responsabilidades de quem acende um equipamento desses, tem responsabilidade eventualmente os rumos que foram tomados ao longo de todos os anos. O poder público tem responsabilidade muito forte. O que nos lamenta muito é não vemos os demais envolvidos respondendo por isso. Há pessoas que foram preservadas. Digo mais: blindadas - defende Seligman.

O papel de Mauro como investidor da Kiss é relembrado por Cipriani. O advogado reitera que tudo deve se resolver no plenário do júri.

- O Mauro nunca fugiu das responsabilidades. Ele se apresentou na delegacia, mesmo sabendo que já existia um mandado de prisão. Não evitou essa circunstância, deu a declaração, que é verdadeira. A responsabilidade do Mauro está restrita a ser um investidor. Se isso o coloca na situação de acusado, infelizmente, o que entendemos que é indevido, será mais uma vez provado e comprovado no plenário. E isso foi também soberanamente dito por inúmeras testemunhas e pelo próprio Kiko. Ele sente muito, compreende toda a situação e se solidariza, pede perdão. É um acidente de grandes proporções, cujos responsáveis são vários, e talvez os maiores não estejam respondendo neste caso - defende Cipriani.

Ao falar sobre as outras defesas dos réus do caso, Cipriani retoma a brevidade para dizer que cabe a cada uma cuidar das próprias alegações. Segundo ele, os representantes se resguardam em fazer a defesa de Mauro. Seligman ainda completa para falar sobre o dolo da acusação.

- Me parece bastante claro, nesses quase nove anos, que nenhum deles tenha previsto o resultado e aderido à realização disso, de que o dolo eventual consiste. Não nos parece que nenhum deles tenha assumido o risco de produção dessa tragédia - finaliza o advogado.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190