faltam 4 dias

Réu do caso Kiss, Marcelo de Jesus dos Santos passa a maior parte do tempo em casa

Ele segurava o equipamento que começou o incêndio em 27 de janeiro de 2013

Leonardo Catto
Foto: Marcelo de Jesus dos Santos em audiência em Santa Maria no ano de 2015
Foto: Jean Pimentel (Arquivo/Diário)

Foto: Jean Pimentel (Arquivo/Diário)
Marcelo de Jesus dos Santos em audiência em Santa Maria no ano de 2015

A quatro dias para o começo do júri do caso Kiss, os quatro réus do processo adotam diferentes medidas diante da exposição. A reportagem do Diário tentou contato com as defesas de Elissandro Spohr (o Kiko), Mauro Hoffmann, sócios da boate, e Marcelo de Jesus e Luciano Bonilha Leão, integrante e roadie da banda Gurizada Fandangueira, que tocava na Kiss na madrugada do incêndio.


Marcelo foi orientado pela própria defesa a não se manifestar antes do júri, mas a advogada dele, Tatiana Borsa, concedeu entrevista. O ex-vocalista da banda que tocava na Kiss no momento do incêndio é acusado por ter segurado o equipamento que começou o incêndio. Aos 41 anos, ele vive na mesma casa, em Santa Maria, com a esposa e as duas filhas.

LEIA TAMBÉM
'Um dos responsáveis pelo assassinato da minha filha me arrolou como testemunha', diz pai de vítima da Kiss
Em coletiva de imprensa, advogado de Elissandro Spohr apresenta nova maquete interna da boate
Ex-prefeito Cezar Schirmer silencia sobre júri da Kiss

Além de músico, Marcelo atuava como azulejista. A profissão seguiu depois de janeiro de 2013. No ano passado, porém, contraiu Covid-19 em julho e ficou 30 dias internado. A condição respiratória, desde o incêndio, é comprometida devido à fumaça. Com a doença, ficou debilitado e manteve a fisioterapia até então. Marcelo diz que já tomou as duas doses da vacina contra a doença.

Segundo a advogada Tatiana Borsa, que o representa no caso atualmente, ele passa os dias em casa e sai apenas para ir à fisioterapia e compromissos médicos. Na residência, faz os serviços domésticos.

- Ele não andou mais no Calçadão de Santa Maria. Nunca mais foi. O Marcelo não sai sozinho. Nunca foi agredido ou ameaçado por alguém na rua. Pelo contrário, quando as pessoas reconhecem ele, uma mãe, inclusive, pediu para dar um abraço nele. Compreendem a posição dele de músico - conta a advogada.

A reportagem tentou contato diretamente com Marcelo. Ele disse que não daria entrevista por escolha e orientação da defesa. O réu contou, ainda, que concedeu uma entrevista no último mês, mas contrariado, e que quer focar só no processo. A postura é reforçada também pela procuradora do réu.

- Prestes a chegar ao júri, a gente tem se falado todos os dias. Mais de uma vez por dia. Na expectativa de acontecer esse júri. É só isso que ele quer. Ele me diz: "doutora, a minha vida parou" - relata Tatiana.

Além de Luciano, Marcelo é o único dos réus que permaneceu em Santa Maria. Apesar de evitar o contato com o "mundo externo", ele ainda mantém redes sociais. Conforme a advogada, o réu tenta se afastar, ainda que monitore alguns comentários de internautas sobre a tragédia:

- Ele se mantém mais afastado. Ele olha, mas evita. Agora, é uma sugestão que eu dei: "Se tiver que olhar, liga para mim". Ele não se vitimiza, mas sente a dor dos pais.

O que Marcelo relata à advogada é que já se sente sentenciado. Mesmo assim, ele torce para que o júri chegue logo.

- O Marcelo está com a expectativa de acabar isso. Para ele voltar a viver e ter uma vida. Ele diz: "As pessoas acham que, condenando, vai passar isso. Eu já estou condenado. Sempre vou ser o Marcelo da Kiss". Ele diz que dorme e acorda pensando nisso. Ele diz: "Eu estou morto. Entendo os pais porque eu sou pai". Ele diz que nem dorme, que só vai acabar quando acabar o júri - relata.

O argumento da defesa é semelhante ao dito pelos demais réus. Eles atribuem a responsabilidade aos órgãos públicos. Diferentemente do que disse Luciano, porém, a representante de Marcelo isenta os donos da boate:

- Eu acho que foi uma fatalidade. A maior responsabilidade é de quem está acusando. Quem está acusando devia estar no banco dos réus. O poder público devia ter impedido que a casa abrisse. É muito mais fácil acusar "os mais fracos", do que se responsabilizar. A casa não era para estar aberta. Tenho certeza que o Kiko (Elissandro) jamais queria que acontecesse essa tragédia. O Marcelo muito menos.

O CASO
Os quatro réus respondem por homicídio simples (242 vezes consumado, pelo número de mortos; e 636 vezes tentado, número de feridos). Inicialmente, o desaforamento (transferência de local) foi concedido a três dos quatro réus - Elissandro, Mauro e Marcelo. Luciano foi o único que não manifestou interesse na troca (o julgamento chegou a ser marcado em Santa Maria) mas, após o pedido do Ministério Público, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) determinou que ele se juntasse aos demais e os quatro fossem julgados na mesma data.

O julgamento foi transferido para a Capital por decisão da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado. O júri inicia em 1º de dezembro, no Foro Central I.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190