atividades presenciais

Protesto pede vacina para professores antes da volta às aulas

Grupo se reuniu em frente à prefeitura na manhã desta segunda. Eles defendem que não é o momento de escolas ter aulas presenciais

18.409

Foto: Pedro Piegas (Diário)

Depois da decisão do governo estadual de permitir o retorno das aulas presenciais para as séries iniciais e o embargo vindo do Tribunal de Justiça do Estado (TJRS), um grupo organizou um protesto contrário às aulas presenciais antes da vacina. Na manhã desta segunda-feira, por volta das 10h, começou a mobilização em frente à prefeitura. Representantes de instituições como União das Associações Comunitárias de Santa Maria (UAC), Cpers/Sindicato, Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFSM, sindicato dos bancários e Central Única dos Trabalhadores (CUT) se uniram para falar em um carro de som contra a abertura imediata das escolas. O argumento deles é de que as aulas devem voltar, desde que professores e funcionários de escolas recebam a vacina contra o coronavírus. 

Orientação da prefeitura é que atividades presenciais não sejam retomadas nesta segunda-feira

Rogério Rosado, 55 anos, representante da UAC, explicou que o grupo não considera oportuno o momento atual para o retorno presencial das atividades: 

- Não estamos aqui porque somos contra a volta às aulas. Todos queremos trabalhar. Mas acreditamos que as aulas só devem voltar quando todos os envolvidos estiverem vacinados contra a Covid-19.

O secretário geral do 2º Núcleo do Cpers/Sindicato de Santa Maria, Lúcio Ramos, 49 anos, que é professor da rede pública, afirma que o protesto é para chamar a atenção do prefeito Jorge Pozzobom para que ele siga a decisão do Tribunal de Justiça e mantenha as escolas fechadas até que haja o julgamento, previsto para às 18h desta segunda.

- A nossa manifestação serve para alertar a população de Santa Maria que não é o momento de retornarem às aulas. Por mais que o governo alegue que tenha feito investimento nas escolas, garantindo EPIs e condições de funcionamento, essa não é a realidade de todas as escolas. Temos escolas do Estado que estão com falta de pessoal para trabalhar, colegas que estão com idade avançada e alguma comorbidade que não vão estar nas escolas. Não foi feita a reposição de quadro de professores - analisa o professor.

Diante de impasse judicial, escolas se dividem sobre o retorno presencial

Segundo Lúcio, voltar às aulas neste momento seria muito arriscado, pois colocaria em risco a vida dos alunos, pais e professores:
- Enquanto a vacinação não atingir um grande número de pessoas. A gente entende que as escolas devem se manter fechadas, preservando a vida de toda a comunidade. 

O ato foi organizado pelo Comitê Popular em Defesa da Vida e contou com 18 entidades: Cpers, Sinprosm, Educadores Em Marcha, Coletivo Alicerce, CS, Sindiagua, Sindicato Dos Bancários, Sindicato Da Alimentação, Sindicato Dos Rodoviários, PRC, MES, Trabalhadores De Rua, DCE-UFSM, CUT, UAC, Sedufsm, Associação Dom Ivo Lorscheiter e Conselho De Alimentação Escolar. Cada entidade foi representada por uma pessoa para evitar aglomeração no local e cumprir com protocolos de saúde e de segurança. 

Os fatos que acarretaram no impasse sobre a reabertura das aulas:

  • 23 de abril - o governo publicou um decreto que passa a permitir a cogestão também para a área de educação. Com isso, conforme o governo estadual, estariam liberadas as atividades presenciais de ensino para regiões classificadas em bandeira preta em que os protocolos municipais permitam a aplicação das regras da bandeira vermelha para as demais atividades. O governo enviou uma petição ao TJ para incluir no processo que vai julgar a possibilidade ou não
  • 23 de abril - a Federação dos Professores, Trabalhadores Técnicos e Administrativos e Auxiliares Empregados em Estabelecimentos de Ensino - FETEE-SUL ingressou com pedido na Justiça para a não presencialidade das aulas
  • 25 de abril - o pedido foi analisado pelo juiz plantonista Paulo Augusto Oliveira Irion, que disse que a decisão seria da 1ª Vara da Fazenda Pública
  • 25 de abril - o caso então seguiu para 1ª Vara da Fazenda Pública, e a juíza Cristina Luísa Marquesan da Silva determinou que a liminar, vigente desde o dia 28 de fevereiro, continua valendo até que o TJ aprecie a petição do governo do Estado 
  • 26 de abril - o Tribunal de Justiça deve julgar o processo e tomar uma decisão final sobre permitir ou não atividades escolares de forma presencial na bandeira preta 
  • Nesta segunda-feira, o TJ deve decidir se as aulas presenciais serão ou não retomadas 


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190