Júri da Kiss

'Eu era um prisioneiro do meu corpo', lembra sobrevivente sobre momento em que acordou no hospital

Delvani Brondani Rosso foi a segunda pessoa a ser ouvida no quinto dia do júri do Caso Kiss. Ele teve 50% do corpo queimado, principalmente braços e costas

Arianne Lima

Foto: TJRS (Reprodução)

O sobrevivente Delvani Brondani Rosso, 29 anos foi a segunda pessoa a ser ouvida no quinto dia do júri do Caso Kiss. A oitiva durou cerca de 44 minutos. O depoimento foi um dos que mais causou emoção a quem acompanha o julgamento, no plenário ou pela transmissão.

FOTOS: o quinto dia do júri da Kiss em imagens

Segundo Delvani, ele e o irmão, Jovani Rosso, que estavam em Santa Maria a passeio, pretendiam ir ao Absinto Hall a convite de um amigo na noite de 26 de janeiro de 2013. Como a boate estava fechada, o trio e mais quatro pessoas decidiram ir para a Kiss. A longa fila e a alta lotação do local foram citados pelo sobrevivente. Delvani descreve o momento em que um jovem teria pulado próximo ao bar e gritado que havia fogo no local.

- Nós nunca pensamos que seria tão sério. Entrelaçamos os braços para não se perder e fomos caminhando muito devagar, porque era muita gente na frente. Quando passamos do canto da copa, na primeira perto do aquário, as pessoas começaram a ficar mais agitadas. Eu comecei a ouvir gritos e começou a ficar mais intenso o empurra-empurra - relembra o jovem, que se perdeu o grupo. 

Ex e atual presidente da AVTSM se encontram em Porto Alegre e falam sobre o júri

Foto: TJRS (Reprodução)
Durante o depoimento, Delvani mostrou marcas de queimaduras nas costas

O sobrevivente ressalta que, mesmo com a situação, sempre acreditou que sairia da Boate. 

- Era a minha segunda vez na boate e eu tinha uma noção da onde tinha entrado. Eu tracei uma linha imaginária até a porta. Quando eu percorri mais esses três metros, eu não sei se deu um curto circuito, mas as luzes se apagaram e eu comecei a enxergar a fumaça. A sentir o odor de fumaça. Muito empurra-empurra, mas eu sempre pensei que iria conseguir sair - afirma Delvani.  

Delvani afirmou ter sido tirado de dentro da boate pelo irmão. Ele acordou fora da Kiss e só lembra de ter acordado no Hospital de Pronto-Socorro (HPS), em Porto Alegre. Apesar de não ter lembrado quando acordou no hospital, a descrição de Delvani era detalhista e transmitia angústia na sua fala.

- Eu não podia falar que estava com muito calor e acabei desmaiando. Eu acordei enfaixado, imóvel. Eu era um prisioneiro do meu corpo. Eu só conseguia pensar, tentar entender tudo que acontecia comigo, o porquê de tanta dor, tanto sofrimento, cheio de sonda, cheio de aparelho, imóvel, só conseguia olhar. 

De propaganda de livro a presença de um dos criminalistas mais renomados: veja bastidores do júri da Kiss

Ainda no hospital, Delvani foi informado pelo irmão sobre a morte de três amigos na tragédia. Durante o depoimento, ele mostrou as marcas deixadas pelo fogo. Delvani teve 50% do corpo queimado, principalmente braços e costas.

- Demorou muito tempo para eu conseguir digerir tudo isso. Tanta dor, tanto sofrimento. Mas, graças a Deus, estou aqui - disse.

QUESTIONAMENTOS
O Ministério Público (MP) fez perguntas similares a do juiz Orlando Faccini Neto. As defesas se abstiveram dos questionamentos, com exceção dos representantes de Elissandro Spohr.

A defesa do réu ex-sócio da boate perguntou a Delvani sobre a atuação dos bombeiros diante do incêndio. Ele relembrou o que sabia da noite, mas disse não ter tantas memórias sobre isso.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190