caso kiss

Entenda como um post no Twitter determinou uma mudança nos depoimentos do caso Kiss

Um dos ouvidos desta sexta-feira deixou de ser testemunha e passa a ser informante, entenda a diferença

Uma das testemunhas arroladas pelo Ministério Público no julgamento do caso Kiss passou a ter a condição de informante na manhã de sexta-feira. Isso ocorreu porque, na hora em que Gianderson Machado da Silva, que trabalha em uma empresa de extintores, começou a depor, a defesa de Mauro Hoffmann pediu que deixasse de ser testemunha.

Cadeira gamer, Camões e marmita: algumas das peculiaridades do magistrado do Caso Kiss

Cerca de 10 minutos antes do depoimento começar, a filha dele fez um post no Twitter expressando publicamente uma opinião sobre dois acusados, os sócios da boate, e isso poderia prejudicar a defesa deles. O tweet dizia: "Meu pai é o próximo a depor no caso da Kiss, que ele fale tudo! Que esses donos da boate apodreçam na cadeia". Com o pedido da defesa de Hoffmann, Gianderson passou a ter a condição de informante, não mais de testemunha, antes mesmo de começar a falar.

Acusação e defesas reduzem número de testemunhas para diminuir tempo do júri da Kiss

De acordo com o Código de Processo Penal (CPP), toda pessoa poderá ser testemunha. Ela fará, sob palavra de honra, a promessa de dizer a verdade do que souber e for perguntado, devendo declarar seu nome, sua idade, seu estado e sua residência, sua profissão, lugar onde exerce sua atividade, se é parente, e em que grau, de alguma das partes, ou quais suas relações com qualquer delas, e relatar o que souber, explicando sempre as razões de sua ciência ou as circunstâncias pelas quais possa avaliar-se de sua credibilidade.

No entanto, antes de iniciado o depoimento, as partes podem contestar a testemunha ou atribuir circunstâncias ou defeitos que a tornem suspeita de parcialidade, ou indigna de fé. Nesse caso, se assim o magistrado entender, poderá manter ou não o depoimento dessa pessoa. E, em caso positivo, ela passará a condição de informante.

Tanto a testemunha quanto o informante prestam informações relevantes para a elucidação dos fatos no processo. A diferença é que a primeira o faz prestando compromisso com a verdade (e isso pode levá-la a responder pelo crime de falso testemunho), enquanto que a segunda, não. Dessa forma, há um peso maior no depoimento prestado por uma testemunha na hora de os jurados tomarem uma decisão.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190