8 anos

Caso Kiss: indefinições marcam o atual momento do processo judicial

O TJ acredita que o julgamento ocorrerá no segundo semestre. MP também diz lutar para realizar o júri dos quatro réus ainda em 2021

Maurício Araujo


Foto: Anselmo Cunha (Especial)
Fachada da Kiss foi revitalizada para marcar os oito anos da tragédia

Após oito anos da trágica madrugada de 27 de janeiro de 2013, a palavra que define este momento do processo da boate Kiss é indefinição. Os motivos são muitos: indefinição do juiz que conduzirá o caso, indefinição da data do julgamento e, até mesmo, indefinições em relação a recursos a serem analisados, inclusive em relação à cidade em que o caso será julgado.  

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul acredita que o julgamento ocorrerá no segundo semestre. O Ministério Público também diz lutar para realizar o júri dos quatro réus neste ano, assim que cessarem as regras de distanciamento em razão da pandemia. Mas isso, por enquanto, é improvável, já que as autoridades em saúde reiteram a necessidade de se manterem os protocolos em 2021.

Sirenes tocam em memória às vítimas da boate Kiss

Já as defesas dizem aguardar as incertezas pendentes com diferentes expectativas. Os réus são os ex-sócios da boate Mauro Londero Hoffmann e Elissandro Calegaro Spohr, o Kiko, e os ex-integrantes da banda Gurizada Fandangueira Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão. O processo do caso Kiss saiu de Santa Maria em 2020, quando foi confirmado o julgamento em Porto Alegre. Porém, a atual titular da 1ª Vara do Júri da Capital, juíza Taís Culau de Barros, que havia sido nomeado para o caso, foi convidada a integrar a Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ) e assumirá em fevereiro.  

Um edital será lançado no próximo mês para preencher a vaga, podendo ser por remoção (quando o magistrado pede transferência) ou por promoção. De acordo com a juíza-corregedora Vanessa Gastal de Magalhães, será dada agilidade ao certame para definir o magistrado que atuará no processo. Somente após essa definição é que se terá condições de precisar data, forma ou local do julgamento.

- Se tudo correr dentro do esperado, é possível que o júri seja realizado no segundo semestre - afirma a juíza-corregedora.

A magistrada reitera que esse é um julgamento complexo, mas que há conhecimento para realizar toda a infraestrutura e a organização do júri, já que foi visto isso quando da preparação do julgamento que iria ocorrer em Santa Maria. O Ministério Público garante que, assim que houver condições de julgamento, será pedida a designação imediata do júri em razão da grande quantidade de vítimas, famílias e as importantes repercussões do acontecimento na sociedade de Santa Maria.

MP recorre ao STJ na tentativa de trazer julgamento do caso Kiss a Santa Maria

De acordo com o promotor de justiça que atuará na acusação David Medina da Silva, ele e a promotora Lúcia Callegari lutarão para que o julgamento ocorra neste ano "prioritariamente, assim que cessarem as regras de distanciamento em razão da pandemia de Covid-19".  

SEM PÚBLICO  

Em relação à possibilidade de o julgamento ser realizado sem público - uma das advogadas de defesa diz que ingressará com pedido devido ao momento pandêmico -, o promotor afirma que solicitará para que as famílias possam acompanhar:  

- Os familiares têm o direito inalienável de assistir ao julgamento. O Ministério Público irá lutar para que se cumpra o direito das famílias enlutadas.

Para o promotor, o que atrasa o processo não é necessariamente a indefinição quanto ao juiz, mas o fato de os réus estarem soltos, já que, por lei, a prioridade é dada quando os réus estão presos. Quando questionado sobre se algo pode ficar comprometido, Silva é enfático:

- Teoricamente, enquanto não há julgamento, a prescrição está correndo. Temos que julgar para interromper o prazo de prescrição.

FAMILIARES 

O presidente da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Flávio Silva, acredita que o julgamento possa ocorrer ainda em 2021.  

- A gente lutou oito anos para acompanhar. Agora, se tiver que esperar alguns meses para esse júri ser realizado no último mês antes do recesso do Judiciário, a gente com certeza vai esperar. Temos consciência da gravidade da Covid-19. Esse júri, para ser realizado, com presença, só depois da vacinação - comenta.

VÍDEO: trabalhadores de Unidades Básicas de Saúde começam a ser vacinados

A luta da AVTSM, agora, é para que o Tribunal conte com público. Conforme Silva, os pais não abrem mão de estar presentes no julgamento dos acusados. Por conta da pandemia, as mobilizações para marcar o aniversário da tragédia serão sem aglomerações. Porém, caso avance a possibilidade de um julgamento a portas fechadas, como declarado pela advogada Tatiana Vizzotto Borsa, que faz a defesa de Marcelo de Jesus dos Santos, haverá manifestação por parte dos familiares de vítimas.  

- Estamos pensando em uma mobilização na questão da manifestação da advogada do Marcelo, que estaria peticionando para que o júri fosse realizado a portas fechadas. A gente não aceita isso aí. Temos até certo receio que uma decisão dessas provoque uma nova tragédia. A gente não vai abrir mão do nosso direito. Além de que seria uma das maiores violações dos Direitos Humanos - declara Silva.

* colaborou Felipe Backes


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190