ensino

Retorno das aulas pela internet será aos poucos em cada rede de ensino

Nas escolas estaduais, decisão cabe a cada instituição. Nas privadas, alunos já têm atividades remotas

18.398
Foto: Foto: Renan Mattos (Diário)

Foto: Renan Mattos (Diário) 

Suspensas desde 19 de março, as aulas nas redes pública e privada devem retornar, remotamente, a partir de segunda-feira. O governo do Estado projeta o retorno das atividades de forma gradual em até seis etapas, que seguirão até setembro. Em Santa Maria, a retomada será diferente em cada rede, já que as escolas privadas já ministram aulas via internet e, no município, a volta está prevista para a segunda quinzena de junho.

Na segunda-feira, começa a primeira fase de retorno: podem voltar às aulas tanto as redes públicas quanto privadas, em todos os níveis de ensino, somente de forma remota. As atividades poderão acontecer tanto com o uso da tecnologia quanto com a disponibilização de materiais impressos para pais e responsáveis para alunos que não têm acesso à internet.

Na rede pública, a plataforma usada durante as aulas será o Google Classrom, um aplicativo gratuito que cria ambientes virtuais. Entretanto, cada instituição tem autonomia para escolher o aplicativo. Os prefeitos podem restringir as medidas estabelecidas pelo Estado, mas não podem afrouxar as regras.

Santa Maria receberá mais 3 mil testes rápidos

Já a segunda etapa, prevista para 15 de junho, permite que sejam retomadas as atividades práticas de ensino presencial para conclusão de curso no Ensino Superior, técnico e pós-graduação. Além disso, também estão permitidos os retornos de cursos livres, como profissionalizantes, idiomas, artes e similares. Segundo a Secretaria de Educação, encaixam-se nessa modalidade, inclusive, cursinhos pré-Enem. De acordo com o governo, estadual, essa modalidade será permitida porque a frequência semanal é de um ou dois encontros presenciais, além das turmas serem pequenas, bem como a importância da retomada também impacta na economia e preservação de empregos.

Para que as atividades possam funcionar, devem ser respeitados todos protocolos de segurança, como utilização obrigatória de máscaras e distanciamento mínimo. As atividades só poderão ocorrer nas regiões onde vigoram as bandeiras amarela ou laranja. Em Santa Maria, a cor é laranja, mas o Estado deve divulgar, amanhã, novo protocolo para definir se a cor será mantida.

VÍDEO: delegacias de polícia passam por sanitização em Santa Maria

AUTONOMIA
O governo estadual propôs um padrão de ensino remoto para as suas escolas. As aulas ocorrerão, a partir de segunda-feira, por meio da plataforma Google Classroom, que é gratuita. Entretanto, aderir ao modelo é uma sugestão. Cada escola pode utilizar outro sistema de ensino, desde que as atividades sejam à distância.

Ontem, a reportagem tentou contato com o titular da 8ª Coordenadoria Regional de Educação (8ª CRE), José Egress, para saber como se dará o retorno das aulas na região. Contudo, até o fechamento desta edição, não obteve retorno sobre como se dará a retomadas das atividades na próxima semana.

O diretor geral do 2º Núcleo do Cpers/Sindicato, Rafael Torres, destaca que é permitido que as escolas tenham autonomia para aderir ou não à padronização de aulas pelo Google Classroom. Ele ressalta o fato de que há estudantes e escolas com menor acesso à internet.

Estado publica estudo final para concessão da RSC-287

 O Cpers desenvolve uma campanha chamada "Escolas Fechadas, Vidas Preservadas". Segundo o sindicato, o ensino remoto não é o ideal e prejudica a aprendizagem, mas o cenário da pandemia não permite o retorno às aulas presenciais agora.

- Gostaríamos que fosse presencial, mas não vamos voltar sem certeza absoluta de segurança. Que dure o tempo que for necessário. É uma situação excepcional que pede medidas de excepcionalidade. O governo mostrou estar balançando a voltar por pressões econômicas, mas entendemos que seria muito pior ter que voltar mais tarde com contágio alastrado e mais vidas perdidas - defende Torres.

REDE PRIVADA
O Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe/RS) recomenda às escolas particulares que sigam as determinações do governo estadual e mantenham o ensino remoto. Segundo o Sinepe, o ensino virtual já é ofertado pelas escolas vinculadas desde março, inclusive em Santa Maria. Com base em um parecer do Conselho Estadual de Educação, o sindicato afirma que as atividades do período de suspensão das aulas serão analisadas e validadas como dias letivos.

Governo federal repassa R$ 60,4 mil para Santa Maria por causa da estiagem

O presidente estadual do Sinepe, Bruno Eizerik, acredita na cautela do governo estadual com o retorno das atividades, com respaldo em dados científicos. Assim que houver a publicação de portaria com os protocolos de retorno, o Sinepe deve fazer uma reunião com as escolas para implementar as medidas previstas.

Em nota, é dito que "na prática, o anúncio do governador não altera o trabalho das instituições privadas, apenas posterga a possibilidade de retorno". Sobre a manutenção do ensino remoto por mais tempo, além do prazo que o Estado ainda irá definir, o Sinepe aguarda a recomendação do conselho estadual.

*Colaborou Leonardo Catto


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190