aniversário

Escola Infantil Sinos de Belém completa 25 anos de existência

Instituição atende mais de 300 crianças do Bairro Nova Santa Marta

Felipe Backes


Foto: Renan Mattos (Diário)
Escola está sem receber alunos desde março de 2020 por conta da pandemia

O que seria um dia de muito barulho e comemoração, será marcado pelo silêncio das salas vazias. Nesta quarta-feira, a Escola Municipal de Ensino Infantil Sinos de Belém completa 25 anos de uma história que se confunde com a ocupação da área onde hoje é o Bairro Nova Santa Marta - a maior ocupação da América Latina. Sem aulas presenciais desde março de 2020, com o início da pandemia, a escolinha segue atendendo os cerca de 310 alunos de dois a cinco anos e 11 meses das proximidades de forma remota.

Para celebrar o aniversário, uma carreta é planejada para o dia 1º de maio com a participação de pais e alunos. Um concurso de maquetes da escola também é preparado pelas redes sociais. A maquete atual, inclusive, é bem diferente da que seria feita há 20 anos. No início, o espaço atendia apenas 49 crianças. Com readequações - a principal em 2004, com a anexação de uma antiga padaria na lateral da escola - a capacidade aumentou até chegar a atual, que ainda não é suficiente para atender a demanda do bairro. A EMEI Sinos de Belém é a única escola municipal de educação infantil da Nova Santa Marta, o que gera lista de espera nas matrículas anualmente. Marcolina Ilha Machado, de 64 anos, é uma das primeiras moradoras da ocupação e acompanhou o desenvolvimento da escola. O filho Vinicius estudou ali nos anos 2000 e, atualmente, é a neta Vivian, de quatro anos, que desfruta do espaço.

44º Concurso Literário Felippe D'Oliveira terá R$ 15 mil distribuídos em três categorias

- A escola foi muito pedida pela comunidade. Foi um trajeto longo, difícil, mas conseguimos a escola. Sem ela teria sido muito difícil. A escola foi muito importante, meu filho ficava ali quando eu saía para trabalhar, com tranquilidade - diz Marcolina, que trabalhava como diarista.

Quem também viu a escola crescer foi Roselaine Santos da Silva, de 51 anos, vice-diretora. Há 21 anos trabalhando no local, ela não esconde a emoção ao falar sobre os momentos vividos por ali.

- O que fez a base dessa escola foi o amor e a vontade - resume.


Foto: Renan Mattos (Diário)
A vice-diretora Roselaine, que trabalha no local há 21 anos, se emociona ao ver o álbum de fotografias

A criação da escola partiu de uma iniciativa da comunidade. Em uma noite dezembro, foi deliberado durante um culto ecumênico que o salão, até então pertencente a uma comunidade católica, seria destinado para a prefeitura para a implantação da escola. O clamor popular foi comparado aos badalos de um sino e, pela proximidade com o Natal, foi pensada na referência a Belém, cidade onde nasceu Jesus Cristo. Por isso, o nome escolhido foi Sinos de Belém.

VÍDEO: prevista para março, onda verde ainda não funciona plenamente em Santa Maria

- Agora, a gente sente falta do barulho dos estudantes. Uma escola só é escola com alunos dentro, com movimento, com vida. Esse espaço tem uma representatividade muito grande na comunidade. É um local onde a gente acolhe as famílias - relata a diretora Bárbara de Almeida Bassotto, de 54 anos.

Atualmente, a escola conta com 10 salas de aula, além de sala de professores, dispensas, cozinha, refeitórios e áreas para lazer dos estudantes. São 20 funcionários e nove estagiários.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190