paleontologia

Cientistas da UFSM publicam estudo sobre evolução de dinossauro de 233 milhões de anos

Artigo foi publicado no periódico britânico Journal of Anatomy na última segunda-feira

18.398

Foto: Márcio Castro (Divulgação)

Mais um estudo da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) foi publicado periódico Journal of Anatomy, da Inglaterra. A publicação foi na última segunda-feira e apresenta um fóssil que ajuda a compreender a evolução do Buriolestes schultzi, descoberto na região em 2015, e que tem mais de 230 milhões de anos.

Eleitores não podem ser presos a partir desta terça-feira

O estudo foi liderado pela acadêmica Débora Moro. Ela é mestranda no Programa de Biodiversidade Animal da UFSM. Segundo Débora, o estudo é voltado para as vértebras que mais sustentavam o dinossauro.

- As vértebras da região do sacro são muito importantes na evolução dos dinossauros, pois elas, juntamente com a região pélvica, são responsáveis por sustentar uma parcela importante da massa do animal  - explica.

Governo termina nesta terça pagamento de outubro dos servidores

O estudo ainda avaliou como a morfologia das vértebras sacrais variou ao longo das diferentes linhagens de dinossauros. Para isso, a pesquisa rastreou a anatomia desta estrutura em espécies de dinossauros compreendendo uma faixa de tempo de mais de 100 milhões de anos.

- Há uma grande variabilidade na estrutura sacral dentro do grupo, e o fóssil que acabamos de descrever nos ajuda a entender como essas vértebras evoluíram ao longo do tempo - conta Débora.



O trabalho completo também é assinado por Leonardo Kerber, Rodrigo Müller e Flávio Pretto, cientistas do Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da UFSM (Cappa). Segundo os autores, em pelo menos uma das linhagens analisadas, foi possível reconhecer um padrão evolutivo marcante. Uma tendência evolutiva de dinossauros é a de incorporar vértebras à região do sacro, que pode passar de seis elementos em algumas espécies. Embora pequeno, com cerca de 1,5 metro, o Buriolestes schultzi é um precursor da linhagem dos sauropodomorfos, que incluiu os maiores animais terrestres da história do planeta, como o Brontosaurus e o Brachiosaurus.

- É interessante que, no começo da linhagem, em um dos primeiros dinossauros do grupo, a fusão sacral já pudesse ocorrer. Essa característica foi crucial para que os dinossauros, especialmente os sauropodomorfos, pudessem atingir seu tamanho colossal. De certa maneira, parece que o arcabouço anatômico que permitiu isso já estava presente nos pequenos dinossauros da Quarta Colônia - comenta o paleontólogo Flávio Pretto.

VÍDEO: Quina vai pagar R$ 700 mil para apostador de Santa Maria

 Há uma semana, outro estudo sobre o Buriolestes também foi publicado no Journal of Anatomy. A outra pesquisa reconstruiu o cérebro do animal.



fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190