Dia do Economista

VÍDEO: no Dia do Economista, profissionais falam do desafio de projetar o futuro pós-pandemia

Professor da UFSM acredita que o agronegócio será fundamental para a retomada econômica do Brasil

18.404
Foto: Foto: Renan Mattos (Diário)
Professor Daniel Coronel traça panoramas para o futuro

Foto: Renan Mattos (Diário) 
Professor Daniel Coronel traça panoramas para o futuro

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a atenção da população está voltada, além da saúde, ao impacto financeiro causado pela incidência do vírus na vida dos brasileiros. Com as medidas de isolamento social necessárias para conter a disseminação da Covid-19, inúmeras empresas fecharam as portas e empregos foram perdidos.  

Segundos dados do Ministério da Economia, até o início de maio, 1,1 milhão de postos de trabalho haviam sido extintos no Brasil. Neste momento, o papel do economista na sociedade mostra-se essencial para projetar o futuro em meio a tantas incertezas.


Hoje, 13 de agosto, Dia do Economista, o professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Daniel Coronel, destaca o importante papel da profissão neste momento.

- O economista tem um papel importante na sociedade no sentido de dar contribuições para melhorar os aspectos sociais, políticos e culturais na vida das pessoas. Neste momento, o economista está sendo muito requisitado para dar projeções no sentido de direcionar ações de órgãos governamentais e do setor empresarial para saber quais caminhos a economia deve seguir - afirma.

Sobre o futuro, Coronel destaca que é imprescindível que as pessoas valorizem o comércio local na hora de escolher onde comprar:

- Santa Maria é uma cidade alicerçada no comércio. É fundamental campanhas no sentido de valorizar as empresas locais. Elas não possuem capital de giro, são elas que precisam de um apoio maior da comunidade.

Contudo, ressalta o papel da agricultura na economia do RS.

- Mesmo na pandemia, o agronegócio tem tido resultados espetaculares, com várias commodities apresentando crescimento. O agro já teve um papel importante na economia brasileira na criação do Plano Real e no "boom" das commodities. Agora, a gente vê, mais uma vez, o agronegócio socorrendo a economia - aponta.

PASSADO
Economista há 40 anos, o professor José Maria Pereira destaca o que mudou na profissão ao longo dos anos. Para ele, o avanço tecnológico foi fundamental para a profissão.

- É mais fácil de se fazer estudos empíricos. Ou seja, utilizar mais dados estatísticos. O próprio computador permite que se tenha uma variedade de dados impressionante. Isso nos permitiu aferições de dados, planejamento e projeções com muito menos margem de erro do que era no passado - destaca.

Por outro lado, Pereira acredita que a profissão tem se distanciado de sua essência.

- Ela se aproximou tanto da ciência exata que perdeu a sua origem. Ela surgiu como se fosse uma economia política, mais voltada para a questão social. Isso, de uma certa maneira, se perdeu - finaliza.  


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190