desdobramentos

Entidades empresariais de Santa Maria decidem como vão agir a partir de segunda-feira

Em reunião neste sábado, foi definida posição sobre abertura ou não, independentemente do que Justiça decidir

18.398
Foto: Foto: Pedro Piegas (Diário)


Foto: Pedro Piegas (Diário)/
Comércio não essencial está de portas fechadas há três semanas

Na manhã deste sábado, 10 presidentes de entidades empresariais de Santa Maria estiveram reunidos para debater a situação da cidade em relação à cogestão municipal. Na noite de sexta-feira, após o anúncio do governo do Estado de que a cogestão voltaria a valer a partir de segunda-feira, o juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública Foro Central da Capital, suspendeu provisoriamente o retorno da gestão compartilhada com os municípios no sistema de Distanciamento Controlado, mantendo as determinações centralizadas no governo do Estado.

Imobiliárias têm papel fundamental na mediação entre locadores e locatários

A cogestão, que foi suspensa pela liminar, permitiria que as prefeituras adotassem regras de bandeira vermelha e abrissem o comércio não essencial, como lojas de vestuário, bares e restaurantes, mesmo com o Estado todo em bandeira preta.

Cacism ingressa na Justiça para pedir prorrogação de impostos municipais

- A gente vê pelas postagens nas redes sociais que esse juiz não tem a menor isenção para tomar essa decisão. Um juiz que ganha R$ 45 mil líquido, segundo o portal da transparência, toma uma decisão dessa importância, contrariando todo o governo estadual, toda uma negociação, de forma isolada. Assim fica fácil mandar as pessoas ficarem em casa e não trabalhar - desabafa Luiz Fernando Pacheco, presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Santa Maria (Cacism).

O desafio do e-commerce para o setor gastronômico durante a pandemia

Conforme Pacheco, as entidades empresariais reunidas optaram por entrar com um agravo de instrumento, junto ao governo estadual, na ação civil pública que foi interposta na Justiça, para tentar derrubar a liminar que suspendeu a cogestão a partir de segunda-feira.

- Nós não admitimos que o município não adote a cogestão. A questão é: até que ponto a prefeitura vai adotar o decreto estadual? Nós não aceitamos nada menos do que for estabelecido pelo Estado. A gente precisa que essa liminar seja derrubada. Mas o que é estranho, é que até agora o governo do Estado não entrou com o seu recurso. Porque ontem, em seguida as oito entidades entraram com uma rapidez na Justiça, e o juiz, com muita habilidade, deu a liminar. E nós não vemos a mesma agilidade por parte do governo do Estado - comenta Pacheco.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do município, Ewerton Falk, que esteve presente na reunião, ao lado do vice-prefeito Rodrigo Decimo, disse que a prefeitura reafirma o desejo em praticar a cogestão, porém, entende que não irão descumprir regras:

- Nós entendemos que o sistema produtivo deve retornar de forma organizada, segura, com cautela e com todos os padrões de segurança necessários. Essa é nossa posição, mas, obviamente, não vamos descumprir regras. Torcemos que essa liminar, que foi um balde de água fria, seja derrubada, mas nós estamos submetidos a uma decisão judicial, e decisão judicial se cumpre. O decreto municipal será de acordo com o decreto estadual. Nós vamos continuar acompanhando, mas a nossa posição já está definida e pronta para utilizar a ferramenta da cogestão.

VOLTA AO TRABALHO

Ao término da reunião, os representantes das entidades empresariais que participavam do encontro optaram por, na segunda-feira, voltar ao trabalho. Segundo a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Marli Rigo, a decisão é uma questão de sobrevivência.

- Nós fomos pegos de surpresa, na calada na noite, nos deram uma apunhalada nas costas. Nós nos reunimos, os 12 presidentes, e comunicamos oficialmente que, independente do decreto ser derrubado, nós vamos voltar ao trabalho, pois a gente precisa de sustento, não tem mais como segurar. Nós fizemos um cronograma de horários, como se fosse o da cogestão. Nós decidimos voltar, por nossa autonomia, com nossa responsabilidade, com todos os cuidados, a partir de segunda-feira. Cada empresário é responsável pela decisão de abrir as portas, e a gente pede a sensibilidade do poder público, quanto à fiscalização. Que entenda que é uma atitude de desespero - relata a presidente da CDL.

Dessa forma, mesmo que ainda não haja uma definição da Justiça até segunda-feira, a decisão por reabrir as portas deve ser mantida, e ficará a cargo de cada empresário.

- É uma questão de sobrevivência, e todo o trabalho que mantém a sobrevivência física, estrutural e familiar, é essencial a todos. Não tem como a gente segurar e pedir para os colegas não abrirem mais suas empresas. Tomaremos todos os cuidados redobrados dentro das nossas empresas e com os nossos consumidores. Dessa vez eu, realmente, me senti atacada. Estou muito decepcionada - relatou a empresária.

Conforme ficou estabelecido na reunião, empresas do setor da Indústria e da Construção Civil devem encerrar suas atividades às 17h. Bares e restaurantes às 18h, lojas às 19h, shoppings às 20h e mercados às 21h, para evitar aglomerações e que os trabalhadores que utilizam o transporte público saiam ao mesmo horário do serviço.

- A partir de segunda-feira, os trabalhadores de Santa Maria precisam voltar a trabalhar, sob qualquer forma. O pessoal vai voltar a trabalhar, sob qualquer condição - ressalta o presidente da Cacism, Luiz Fernando Pacheco.

O QUE DIZ A PREFEITURA

Sobre a possibilidade da abertura dos estabelecimentos na segunda-feira, o secretário Ewerton Falk afirmou que a decisão é uma "posição das entidades, e não teve a participação da prefeitura".

- A nossa garantia é que Santa Maria aplica a cogestão, da mesma maneira que vamos cumprir a determinação judicial. O nosso trabalho agora é apoiar o governo do Estado para a derrubada dessa liminar. Mas nós, instituição pública, jamais vamos estimular desobediência judicial. Alertamos e pedimos que nesse momento tenhamos forma de agir de união, para que não haja conflito. A gente pediu para ter muito controle emocional nesse momento, mas tendo a possibilidade de haver a cogestão, vamos aplicá-la. Mas não participamos dessa decisão, ela não nos pertence. É uma decisão das entidades. Mas estamos trabalhando para que essa liminar seja derrubada - salienta o responsável pela pasta de Desenvolvimento Econômico.

Participaram da reunião: Luiz Fernando Pacheco, presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Santa Maria (Cacism); Ademir José da Costa, presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio de Santa Maria (Sindilojas); Marli Rigo, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Santa Maria (CDL); Eduardo Stangherlin, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios (Sindigêneros); Samir Samara, presidente do Sindicato das Industrias da Construção Civil de Santa Maria (Sinduscon); Antônio Odil Castro, presidente do Sindicato da Habitação do Centro Gaúcho (Secovi); Rodrigo Ribas, presidente da Associação Rural de Santa Maria; Rinaldo Righi, presidente do Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade de Santa Maria; João Carlos Provensi, presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SHRBS) de Santa Maria; e Julio Kirchhof, presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Santa Maria (Simmae).


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190