alternativas

Com alta da carne, restaurantes tentam contornar o aumento do preço das refeições

Elevação do consumo de carne vermelha na China pressiona os preços no Brasil

18.404
Foto: Foto: Gabriel Haesbaert (Diário)

Foto: Gabriel Haesbaert (Diário)

O aumento repentino no preço da carne bovina, restaurantes e churrascarias de Santa Maria buscam alternativas para não afastar os clientes. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Agas), o contrafilé teve um reajuste médio de 50% nos últimos três meses. Já o coxão mole, no mesmo período, teve uma alta de 46%. Em Santa Maria, a correção chega a 30%.

Veja mais no vídeo:


A saída mais simples seria repassar o aumento de preços ao consumidor. Contudo, essa não é a primeira opção adotada pelos proprietários.

A explicação para o aumento no valor da carne está na China, que é o maior consumidor de proteína animal do mundo. Nos últimos meses, uma peste dizimou 40% da população de porcos do país. Com isso, a demanda por carne vermelha aumentou, inflacionando os preços no Brasil, que possui o maior rebanho comercial de carne bovina do planeta.

Para os donos de restaurantes de Santa Maria, a alternativa tem sido driblar a alta com opções diferenciadas no cardápio, dando preferência para peixes e frangos. A proprietária do restaurante Via Gastronômica, Juliana Schuch, explica que, ultimamente, está mais barato servir salmão do que alguns cortes de carne bovina, o que, segundo ela, era impensável há alguns meses. Mesmo com um aumento de custo, que gira em torno de 30%, ela manteve o preço do quilo no mesmo valor que era cobrado anteriormente.

VÍDEO: cidade registra aumento de até 30% no preço da carne de gado

- Estamos tentando absorver esse impacto. Na maminha, por exemplo, eu pagava R$ 21 e agora está R$ 33 o quilo. Não aumentamos o valor do bufê porque estamos vendo até onde vamos conseguir segurar. Hoje, as pessoas pesquisam os preços. Não quero perder clientes por aumentar - salienta.

Apesar da resiliência, alguns estabelecimentos não conseguiram segurar o aumento e repassaram o custo, ao mesmo em parte, ao consumidor. Na padaria e restaurante MaxiPan, o valor da refeição por quilo subiu R$ 3, passando de R$ 45,90 para R$ 48,90.

- Temos que ter carne vermelha, não adianta. Somos de uma região onde a preferência alimentar das pessoas é assim. A gente tenta administrar, fornecer ao cliente um prato de qualidade e, ao mesmo tempo, com um pouco de menos carne - relata o proprietário, Genésio Negrini.

Itaú fecha agência no centro de Santa Maria

CHURRASCARIAS
Nas churrascarias, onde o carro-chefe é justamente a carne de gado, o segredo para conseguir manter os preços estáveis está na quantidade de estoque. A churrascaria Boi Bom, por exemplo, tem carne armazenada até a metade de janeiro do ano que vem. Mesmo assim, já aplicou reajuste de R$ 3 no preço do espeto corrido.

O proprietário Alberto Niche relata que em dias de casa cheia chega a assar 300 quilos de carne bovina. Segundo ele, alguns cortes tiveram um reajuste de até 70%.

- Está sendo difícil para a gente. Apesar do reajuste, o movimento está bom. Acho que o pessoal está trocando a ida ao mercado pelo restaurante. Está ficando mais em conta almoçar fora do que fazer o seu próprio churrasco, por exemplo - relata Niche. 


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190