audiovisual

Videodança RS destaca trabalho de seis companhias, uma delas é de Santa Maria

Produtora MOOV.art lança, nos próximos dias, lives e documentários sobre os grupos

Natália Müller Poll
Foto: Foto: Daniela Muttoni (Divulgação)


Foto: Divulgação / Royale Escola de Dança e Integração Social coreografou em pontos históricos de Santa Maria, como a Gare (foto) e a Vila Belga

Após mobilizar a cena artística de seis cidades do Estado, o projeto Videodança RS está, desde o dia 29 de abril, apresentando o resultado das filmagens com produções de videodanças e mini documentários sobre inserções sociais na dança contemporânea gaúcha. Foram seis grupos independentes participantes da iniciativa, que teve como objetivo fomentar as economias criativas das cidades por onde circulou. No dia 12 de maio será apresentada a produção da Royale Escola de Dança e Integração Social, de Santa Maria.

DJ de Santa Maria estreia em live no YouTube nesta terça-feira

Contemplado no Edital de Concurso Produções Culturais da Lei Aldir Blanc, o Videodança RS foi realizado pela MOOV.art, produtora de vídeo especializada em dança. Entre os grupos mobilizados, está a santa-mariense Royale, que usou como locação das gravações, a Gare da Estação, a Vila Belga e também em frente ao Colégio Estadual Manoel Ribas.

Conforme uma das fundadoras da escola, Daniela Nascimento, os locais foram escolhidos por contarem a história de Santa Maria.
- Pensando em uma coreografia que fosse a "cara" de Santa Maria, escolhemos a Gare e a Vila Belga. Nasceu então a idéia do ballet "Dançando nos Trilhos da História de Santa Maria", onde falamos da importância do movimento ferroviário em nossa cidade, concebendo Santa Maria um território de chegadas e partidas, de encontros e despedidas, de movimentos líricos e poéticos. Da mesma forma, o figurino trouxe as cores e poesias das casas coloridas da Vila Belga - explica. https://www.youtube.com/watch?v=GCFn5KrPG_A

 

Após cancelar processo, Trajetórias Culturais tem nova lista preliminar de projetos

Daniela conta que para manter as medidas de prevenção à Covid-19, a coreografia foi criada online com a parceria da bailarina Daiane Brondani e os ensaios também foram feitos por meio do google meet. Ela acredita que o projeto foi um momento especial na vida de quem participou:
- Foi uma experiência super enriquecedora para as bailarinas da Royale que participaram do processo, pois tiveram a oportunidade de vivenciar uma "experiência profissional" de dança, que será divulgada a nível estadual. Tal fato, demonstra cada vez mais a importância do trabalho artístico, educativo e de inclusão social da Royale. O que esperamos que reverta em maiores apoios e incentivos na cidade.

A Royale Escola de Dança e Integração Social é uma ONG que por meio da dança atua no desenvolvimento das potencialidades e na inclusão social, cultural e educacional de crianças, adolescentes, jovens e suas famílias, moradores das periferias tendo o ballet como eixo de ação principal.

Elias Monteiro lança oficina virtual sobre produção de charges

PELO ESTADO
Além da Royale, o projeto mobilizou os grupos de Dança Giro Livre, de Santana do Livramento; Grupo Lado B da Rua, da ONG Parceiros do Bem, de Santo Ângelo; Cirandeira da Cultura Popular, de Caxias do Sul; a Companhia Rua em Cena, de Pelotas; e a FlashBlack Cia de Dança, de Porto Alegre. Eles foram protagonistas de seis obras artísticas em formato de videodança, além da gravação de um mini documentário, com registros do trabalho coreográfico de cada grupo, suas nuances e variações, nos cenários em espaços históricos e de patrimônio cultural das regiões Metropolitana, Sul, Centro, Serra, Missões e Campanha.

VÍDEO: Mãe e filho compartilham paixão por ler e criar histórias

Cada um destes grupos recebeu um cachê de R$ 10 mil para a contratação de profissionais de produção e figurino, o que gerou renda e fortaleceu a economia criativa desses lugares. O projeto foi uma forma de dar visibilidade a uma rede de coletivos de trabalho independente e sem patrocínios na cena da dança gaúcha que se mobilizam através de ONGs, escolas e grupos, e que apostam na transformação social através da arte.

A proposta também evidenciou o protagonismo feminino, o trabalho de artistas negros e pessoas com deficiência física, além de intérpretes ligados às questões LGBTBQI+ que, em suas trajetórias, transitam pela dança contemporânea, o ballet clássico, as danças afro-populares e as danças urbanas.

Cronograma de divulgação do projeto VIDEODANÇA RS

  • 12 de Maio, Videodança Dançando nos Trilhos da História de Santa Maria - por Royale Escola de Dança e Integração Social
  • 13 de maio, live com Daniela Nascimento - falando sobre o processo de criação da coreografia e sobre a experiência da Royale nesses quase 23 anos de trabalho
  • Transmitidos entre 29/04 e 11/05 - produções dos grupos Cirandeira de Danças Brasileiras, Grupo de Danças Urbanas Lado B da Rua, Grupo Giro Livre - Dança Inclusiva e Rua em Cena Companhia de Dança
  • 14 de maio - Videodança Nosso Lugar | CIA DE DANÇA FLASHBL + Lançamento de Documentário das produções
  • Onde - no Instagram da MOOV.art produtora



fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190