na região

VÍDEO: música ao vivo poderá voltar a ser permitida nas próximas semanas

Medida será possível por conta da melhora dos indicadores da pandemia, se dados seguirem positivos na próxima semana

18.297
Foto: Foto: Renan Mattos (Diário)

Foto: Renan Mattos (Diário)

Em quase um ano e meio de pandemia, a música ao vivo foi realidade em poucos dias em Santa Maria. As apresentações em bares e restaurantes, sustento de muitos músicos locais, foram proibidas por diversos decretos estaduais, regionais e municipais e continuam sem ocorrer. Mas é possível que isso mude na região a partir do dia 10 de julho. 


Grupo TUI apresenta espetáculo neste final de semana

De acordo com o secretário de Licenciamento e Desburocratização de Santa Maria, Ewerton Falk, na última reunião do comitê Estratégico de Acompanhamento da Covid-19 da Associação dos Municípios da Região Central do Estado (AM Centro), realizado na quarta-feira, os dados apresentados foram positivos, e isso permite que se faça um planejamento para o retorno da música ao vivo, caso a melhora se mantenha:

- Nós acreditamos que agora, em um espaço curto de tempo, a gente possa voltar a ter essa atividade, não pelas manifestações nem pela pressão, mas, sim, porque os indicadores estão melhorando - afirma Falk. 

Segundo o médico epidemiologista da prefeitura Marcos Lobato, os números, preliminares que foram apresentados, indicam que há desaceleração do registro de casos confirmados - de 9% caiu para 4% em comparação da última semana com a anterior na região, e o número de hospitalizações em UTIs, apesar de ainda não estar diminuindo, está estável. Com isso, as projeções apontam melhora nas próximas semanas. 

O presidente da AM Centro, o prefeito de Formigueiro, Jocelvio Cardoso (MDB), adianta que, além da música ao vivo, os rodeios também devem ser liberados. 

Segundo ele, as equipes responsáveis já estão trabalhando na criação de protocolos que permitam o retorno das atividades de forma segura, e que um documento deve ser formalizado na próxima semana. 

- Sabemos que as pessoas dependem do trabalho, e também é nossa preocupação. A equipe está elaborando os protocolos agora, os músicos estão trabalhando juntos para que possamos avançar, mas com um plano de ação bem elaborado - completa Cardoso. 

Se a atividade for liberada pela AM Centro, cada um dos municípios integrantes podem adotar regras mais restritas, mas não ao contrário, ou seja, os municípios não têm autonomia para decidir pela liberação de atividades sem o aval da região. 

POR QUE FOI PROIBIDO? 
Enquanto vigorava o sistema de bandeiras de Distanciamento Controlado do governo estadual, a música ao vivo chegou a ser proibida quando as regiões entravam em bandeira preta ou vermelha. No início de maio, foi implementado o Sistema 3 As, e as apresentações foram permitidas. Entretanto, a tendência de agravamento da pandemia por conta da piora dos dados, como hospitalizações, contaminações e óbitos, fez com que a região recebesse um alerta, e a AM Centro elaborou um plano de ação, que voltava a proibir a música em bares e restaurantes em 28 de maio. 

Essa medida tinha como objetivo diminuir a contaminação, porque, de acordo com Falk, a principal forma de transmissão é via aérea pela emissão de partículas, e com a música, seja ela ao vivo ou mecânica, as pessoas precisariam falar mais alto e, logo, o risco aumentaria. 

- Ainda estamos em uma situação bem complicada, mas fomos em busca de mais leitos e a vacinação está crescendo. Na verdade, não existem decisões unilaterais ou por um motivo, os alertas nos obrigam a criar ações, mas estou muito otimista que, regionalmente, a atividade poderá ser permitida - acrescenta Falk. 

Rádio Armazém abre inscrições para oficina gratuita de mentoria para artistas

MANIFESTAÇÕES
Logo que a música ao vivo foi proibida na região, a primeira reação da classe veio nas redes sociais, com postagens que pediam para que o protocolo fosse revisto. Desde então, eles tiveram uma série de tratativas com a prefeitura e a Câmara de Vereadores, e foram às ruas pela mesma demanda duas vezes durante o mês de junho.

Conforme o músico Jonas Pinheiro Viana, que está à frente das mobilizações, desde o início da pandemia, a classe sofre com a falta de trabalho e com contas atrasadas, e mesmo assim conseguiu ajudar outras pessoas:

- Os músicos sempre estiveram presentes na vida de todas as pessoas nos melhores momentos, e quando a música é colocada como vilã da histórias as pessoas viraram as costas para nós. Mesmo sem trabalho, tentamos nos reinventar, ajudamos muita gente com cestas básicas em live solidárias - afirma. 

Agora, com a possibilidade de retorno, a expectativa é positiva. 

- A gente está bem feliz com essa resposta, mas vamos esperar se isso realmente vai acontecer. Até então, conseguimos isso com bastante pressão e luta, e a gente não teve apoio nem da Secretaria da Cultura, nem do prefeito - completa Viana.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
ouvidori[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190