contatos Assine
sociedade

Fantasmas a solta

16 Janeiro 2019 15:33:00

Colunista Maria Rita Py fala sobre o 'combate às ideologias'

Maria Rita Py


Do período de campanha eleitoral até a posse, o presidente eleito usou e abusou no emprego do termo ideologia, compreendida como se fosse o grande mal a ser eliminado da sociedade nacional, como ressaltou o articulista do Estadão, Rodrigo Menegat, em matéria publicada naquele veículo de comunicação, no dia 5 de janeiro, inclusive acompanhada de uma análise com infográfico, que mediu o percentual de vezes que o vocábulo foi usado, superando, inclusive o termo Deus.

Ele soa como nós

Marco Rodrigues de Almeida, articulista da Folha de São Paulo, dedicou artigo específico sobre os discursos de posse do presidente, em que Bolsonaro continuou o combate à ideologia. Na oportunidade convocou os congressistas para libertarem a Pátria da "submissão ideológica"; confessou que irá combater a "ideologia de gênero" e que o Brasil voltará a ser "um país livre de amarras ideológicas". Após receber a faixa presidencial, o presidente continuou afirmando que não se pode deixar que "ideologias nefastas venham dividir brasileiros. Ideologias que destroem nossos valores e tradições, destroem nossas famílias, alicerce da nossa sociedade". Sobrou para o comércio internacional, que também ficará livre do "viés ideológico", encerrando com a preocupação "da ideologização de nossas crianças", e que urge acabar com "a ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais".

O presidente desconhece que seu discurso é essencialmente ideológico? Governar é fazer escolhas, movido por ideias, por ideologias. Não existe neutralidade. Todo processo educativo é um ato político, assim como toda militância política é também educadora, a questão fundamental é se ter clareza sobre "a favor de quem e do quê, portanto contra quem e contra o quê a atividade política é realizada", já anunciava Freire.

A ideologia transmutou-se em monstro, tipo Hidra de Lerna e o eleito em Hércules, que ao entronizar-se no novo cargo nomeou seus trabalhos (doze?): acabar com ideologias, que pode ser: fascista, comunista, democrática, capitalista, conservadora, anarquista, nacionalista, de gênero; política, cristã e tantas outras que existem por aí. O que o novo presidente esqueceu-se de referir, é que o programa "Escola Sem Partido", que pretende implantar, representa a sua ideologia, já anunciada: - acabar com a "doutrinação no ensino brasileiro".

Estranhos!

Passamos por uma enorme confusão ou ignorância, até porque ideologia é qualquer narrativa ou discurso pragmático de salvação, de melhoria ou progresso de grupos ou sociedades. Um dos primeiros intelectuais a criticar a ideologia, foi Marx, que a designava como uma falsa realidade. Para Anthony Pereira, diretor do Brazil Institute, da universidade King's College, o novo governo tem uma "ideologia de direita rígida, socialmente conservadora e economicamente liberal".

O "movimento escola sem partido" foi criado em 2004, pelo advogado Miguel Nagib e apoiado pelo então deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSC-RJ), que encomendou a Nagib o projeto de lei referente ao Programa Escola Sem Partido, apresentado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em 13 de maio de 2014. Para legitimar a proposta, seu irmão, vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), também encomendou um projeto com o mesmo teor, só que destinado ao município. Na Câmara Federal tramitam projetos que propõem incluir na Lei de Diretrizes e Bases da Educação, o Programa Escola Sem Partido (PL 867/2015), como também incluir entre os princípios do ensino o respeito às convicções de alunos, pais ou responsáveis (PL 1.411/2015). No Senado, tramita o PL 193/2016, Projeto Escola Sem Partido, apresentado pelo Senador Magno Malta (PR-ES). Sem qualquer base científica ou evidencia empírica que sustente tal proposta, o monstro da mordaça avança e fantasmas do comunismo e do socialismo ressurgiram das profundezas do inconsciente e estão às soltas, tomando de assalto as mentes de uma porção de gente que precisa, em primeiro lugar, se tratar, como previu Sérgio Brito, na canção "tá todo mundo louco"!


fale conosco

redação
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
atendimento@diariosm.com.br
ouvidoria@diariosm.com.br
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190