contatos Assine
saúde

Depressão pós parto: como auxiliar pais e mães?

Colunista Fernanda Jaeger fala sobre os sintomas de uma doença que afeta as mamães


No mês de maio comemoramos o Dia das Mães, uma data alusiva a uma figura de extrema importância na sociedade. Ao se pensar na maternidade, geralmente, se tem uma visão positiva e uma associação a um momento mágico e feliz da vida da mulher. No entanto, em algumas situações surgem vivências inesperadas, tais como a melancolia da maternidade ou baby blues, psicose puerperal e também a depressão pós-parto, sendo essa última a mais conhecida.

Mas o que é depressão pós-parto?
Como surge ou quais fatores associados ao seu desencadeamento?
Quais as consequências e tratamento? 

A depressão pós-parto refere-se a um conjunto de manifestações relacionadas a um quadro de profunda tristeza e desesperança que acomete em torno de 25% das puérpera após o parto, de acordo com o Ministério da Saúde. Trata-se de um transtorno de humor que compreende alterações biopsicossociais que apresenta gravidade e durações variáveis, acompanhada de um conjunto de sintomas físicos e mentais que afetam de modo significativo a vida da mulher.

Os principais sintomas são:

  • Perda de interesse ou prazer em atividades diárias ou de coisas que antes gostava
  • Pensamento na morte ou suicídio
  • Vontade súbita de prejudicar ou fazer mal ao bebê
  • Perda ou ganha de peso excessivo
  • Falta de apetite ou exagerado
  • Insônia ou dificuldades para acordar
  • Fadiga
  • Dificuldade de concentração e para tomar decisões
  • Excesso de preocupação

Com o nascimento da criança é muito comum um desequilíbrio hormonal que pode estar na origem desta manifestação, mas outros fatores como qualidade e estilo de vida, dificuldades emocionais e físicas podem trazer como consequência um quadro como este.

Outros aspectos também podem influenciar no desencadeamento da depressão pós-parto como:

  • Falta de rede e apoio social e familiar
  • Privação de sono
  • Dificuldades e conflitos familiares, especialmente com o companheiro
  • Histórico de dificuldades emocionais e quadro prévio de depressão
  • Alimentação inadequada

Tanto a mãe quanto o bebê são profundamente afetados por um quadro como este. Entre as principais consequências estão: dificuldades para amamentar o bebê dificuldade para suprir as necessidades básicas da criança, como ida às consultas com o pediatra e acompanhar o calendário de vacinação, e muitas vezes até mesmo quanto à alimentação e higiene da criança. Assim, a criança pode apresentar baixo peso, dificuldades psicomotores e afetivas, por exemplo. 

A depressão pós-parto tem tratamento, mas mesmo quando tratada pode elevar o risco de futuros episódios, o que demanda um acompanhamento periódico de saúde mental da pessoa. No entanto, se não for tratada pode prolongar-se e até mesmo tornar-se um transtorno crônico e levar ao agravamento deste quadro. O tratamento o uso de antidepressivos e psicoterapia, com acompanhamento de psiquiatras e psicólogos. Associado a isto outros recursos podem ser buscados como o suporte e da família, parceiro e amigos, avaliando-se caso a caso. Assim, é primordial que se tenha um olhar atento e cuidadoso em relação ao bebê e sua mãe após o nascimento.


fale conosco

redação
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
atendimento@diariosm.com.br
ouvidoria@diariosm.com.br
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190