sociedade

A violência está dentro de nós mesmos

Colunista Juliano Trindade fala sobre os recentes casos de feminicídios

Juliano Trindade


Vemos atualmente momentos difíceis e, por vezes, dramáticos. Fatos que não são do no nosso cotidiano, começaram a serem noticiados com maior frequência, acontecimentos  que por si só aterrorizam qualquer pessoa, qualquer família. As agressões entre as pessoas do mesmo sexo ou do sexo diferente nos lembram o quanto irracional somos. Somos capazes de ações boas e ações terríveis quase ao mesmo tempo.

Armas matam pessoas

As agressões às mulheres são cada vez mais frequentes. Parece que voltamos a viver em séculos passados, onde as leis machistas ou a cultura dominante permitiam que homens tratassem as suas esposas ou companheiras como propriedade pessoal. O mundo evoluiu, os relacionamentos evoluíram mas uma parcela dos homens na nossa sociedade não aceita essas mudanças e insiste em tratar as mulheres como sendo suas. Atacar uma escola porque sofreu bullying ou discutiu com colegas é inadmissível, quando existem caminhos e formas mais civilizadas de se resolverem os problemas.

Com a evolução da humanidade, diferentes arranjos familiares foram criados. Embora os arranjos tradicionais ainda existam, pessoas ainda resistem a aceitar e compreender a nossa evolução. Como consequência dessa resistência às mudanças, a violência surge como válvula de escape dos que não a compreendem.

O feminicídio é atualmente um dos atos de violência que mais são noticiados no país - e com certeza muitos ainda casos permanecem ocultos.. Esse crime é bárbaro porque os  homens são considerados mais fortes que as mulheres, assim é mais complicado para elas se protegerem. Leis estão sendo criadas ou atualizadas para punir os agressores., A polícia se estrutura melhor para investigar e punir os agressores.. Tudo isso é importante mas o mais importante é promover uma mudança na cultura masculina, uma mudança que faça com que os homens sejam menos machos provedores e mais homens de família, seja o arranjo familiar que for.

O Mundo Polarizado: algumas consequências

Em diferentes momentos da nossa história, vivemos comportamentos distintos. Homens, mulheres e jovens têm interesses e formas de viver e fazer as suas atividades de maneiras diferentes. A evolução do ser humano é responsável por isso. Ao viver nesta época, precisamos compreender nosso papel e trabalhar para que o mundo onde estamos inseridos seja o melhor possível para todos.

A agressão dos homens contra os próprios homens e contra as mulheres demonstra que os nossos desejos primitivos ainda estão enraizados e que precisamos saber lidar com eles. É importante tentar compreender estes nossos sentimentos, bem como compreender o lado do outro. Só assim conseguiremos evoluir juntos.

O mundo muda constantemente, as pessoas mudam constantemente, é preciso saber lidar com isso, saber viver com isso e saber viver inserido na própria comunidade, para que todos possam viver a vida de forma plena e saudável. Torço para que os homens passem a compreender melhor o mundo onde vivem e que vejam que não são mais o centro do universo. Só assim crimes como vemos hoje poderão não ocorrer mais


fale conosco

redação
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
atendimento@diariosm.com.br
ouvidoria@diariosm.com.br
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190