contatos Assine
sociedade

A banalização do ato de fotografar

11 Abril 2018 15:11:00

Colunista aborda o desenvolvimento da fotografia

Maria Rita Py


A arte de fotografar permite perenizar instantes, arquivar memórias, como prova ou testemunho de momentos que marcaram a vida de pessoas ou que até mesmo entraram para a história, como foi a fotografia de Huynh Cong Ut (em 08/06/1972) mostrando a menina Phan Thi Kim Phuc, correndo com o corpo queimado, por uma estrada do Vilarejo de Trang Bang, após o local ter sido bombardeado com napalm. Tal registro transformou-se no símbolo de combate à Guerra do Vietnã.

Outra foto que se tornou ícone na campanha de combate à fome no Sudão foi "A Menina e o Abutre", de autoria do sul-africano Kevin Carter, capturada na Aldeia de Ayod, no Sudão (em 11/03/1993). Infelizmente, após ganhar o Prêmio Pulitzer de Fotojornalismo no ano seguinte, Kevin Carter suicidou-se, talvez não suportando a carga emocional de críticas recebidas por ter declarado que após tirar a foto, embarcara de volta à África do Sul. O que ele não contara, foi que os pais da criança estavam ali, muito próximo, descarregando mantimentos doados pela ONU.

Entre "os grandes fotógrafos da história", Dorothea Lange imortalizou-se com a fotografia Mãe Imigrante, uma imagem que também se tornou símbolo da grande depressão, de 1929 e Henri Cartier-Bresson iluminou o campo fotográfico com o conceito "instante decisivo", aquele quando cabeça, olho e coração estão alinhados.

Relacionamento e casamento

No Brasil, Sebastião Salgado, fotógrafo social, membro da Academia de Arte da França e Josep Ruaix Duran, o fotógrafo das grandes revistas, são dois grandes ícones da fotografia, com trabalhos conhecidos mundialmente. Como prata da casa, destaco o trabalho do professor Dartanhan Baldez Figueiredo, clicando em preto e branco, registrando as lutas sociais de nossa Santa Maria.

Antigamente tal arte parecia ser reservada a iniciados, detentores de saberes quase secretos, temperados com gotas de sensibilidade, olhar perscrutador, capazes de captar emoções e movimentos; revelar dramas e vitórias, preservando enquadramentos, iluminação, ângulos e perspectivas. No fotografês da minha infância desfilavam termos, como "objetiva", " Kodac", "posar", confundindo marcas com artefatos, e o retratista era o mago da câmera, personagem central do ato de capturar e eternizar imagens. Naquele tempo, o espaço em que se daria a foto era cuidadosamente escolhido, não se posava para fotos em frente a espelhos de toaletes de restaurantes, não se registrava caras, muito menos bicos com os lábios. E selfies, então? Inexistiam. A fotografia tinha algo mais do que siluetas ou contornos. 

A prosperidade é questão de consciência

O advento do celular e do Smartphone contribuíram para a democratização desse campo, tornando-nos todos potencialmente fotógrafos, porém rompeu com a magia, e na ânsia de tudo registrar ou compartilhar, esquecemos de perguntar: esta foto serve para que?

Fotografia era emoção, magia, acompanhadas da aquisição de álbuns, porta-retratos e de reuniões com familiares ou amigos para olharem as fotos reveladas se divertindo, revivendo aquele momento. Hoje guardamos ou esquecemos em pastas no computador. A fotografia perdeu a narratividade, a opinião. J. R. Duran afirma que a linguagem narrativa da foto revela o ponto de vista do seu autor. Se a fotografia não for capaz de revelar sua opinião, não é foto, é imagem. As redes sociais estão saturadas de imagens.

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7110
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249