contatos Assine
vida

A difícil tarefa de mudar

29 Março 2019 11:19:00

Colunista Fernanda Jaeger fala sobre as adaptações necessárias às nossas rotinas e hábitos nos dias de hoje


Você já parou para pensar o quão difícil é mudar hábitos, rotinas, estilo de vida e até mesmo a maneira como pensamos e agimos? A sociedade contemporânea nos coloca constantemente frente a novos desafios, mudanças e transformações que promovem uma provisoriedade das formas de viver, ser e pensar. Mas qual impacto que isto tem em nossa vida? Como estas transformações afetam a nossa subjetividade? 

O impacto que as novas tecnologias de informação e comunicação, as mudanças socioculturais e das legislações que atingem o mundo do trabalho, a família e a sociedade como um todo exige um processo de adaptação ao novo. No entanto, apesar de cada vez mais ouvirmos o quanto é necessário estarmos abertos a mudanças, este processo não é uma tarefa simples. Muitas vezes a pessoa até deseja modificar aspectos da sua vida, do trabalho ou da forma de se relacionar mas não consegue.

Sob o ponto de vista psicológico nem sempre estas mudanças são vistas como sendo algo positivo, mas, ao contrário podem ser consideradas e vivenciadas como um evento traumático e assustador e até mesmo trazer à tona conflitos vivenciados anteriormente. Por si só, toda a mudança traz tempestade, confusão, incertezas que podem ser vividas de diferentes formas. Para algumas pessoas há maior facilidade para interagir com a nova situação enquanto outras poderão ter dificuldades frente a tal modificação.

Desde o nascimento somos influenciados por forças denominadas de pulsões, que sob o ponto de vista psicanalítico nos impulsionam para agir de uma determinada maneira e interagir com estas novas situações. A "pulsão de morte", como foi denominada por Freud, nos desconecta dos nossos desejos e sonhos e nos leva a estagnação. Por outro lado, a "pulsão de vida" nos coloca em movimento, em transformação e frente a construções alinhadas aos nossos desejos, nos levando a construção de nossa subjetividade.

Geralmente, as pessoas se sentem confortáveis com o jeito que estão acostumadas a fazer as coisas e tendem a resistir às mudanças. No entanto, pessoas mais flexíveis e menos rígidas tendem a reagir melhor às mudanças, mas outros fatores também influenciam neste processo e precisam ser considerados. Além da personalidade da pessoas, seus conflitos e condições emocionais é primordial, reconhecer que os valores que ela assume, o grau de escolaridade, o seu histórico de vida de uma pessoa, bem como o contexto sociocultural também interferem neste processo.

Para finalizar lembro das palavras de Guimarães Rosa que diz em sua obra " Grande Sertão Veredas": "o importante é bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando. Afinam e desafinam" Mudar, muitas vezes é necessário, mas tudo tem seu tempo! 


fale conosco

redação
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
atendimento@diariosm.com.br
ouvidoria@diariosm.com.br
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190