deni zolin

Pequenas empresas: cenário preocupante

Colunista comenta pesquisa que revela o tamanho do impacto da pandemia sobre o setor

18.306

Uma pesquisa feita pelo Sebrae-RS com pequenas empresas gaúchas revela o tamanho do impacto da pandemia sobre o setor. A pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise é realizada semanalmente e apontou que o capital de giro não apenas continua liderando entre as principais necessidades dos pequenos empresários, como a sua carência é crescente. No sexto período do levantamento, realizado entre os dias 10 e 19 de maio, este item teve um aumento de três pontos percentuais e chegou a 64%. A isenção de impostos e taxas aparece como segunda necessidade (37%), seguida por alternativas para diversificar produtos/serviços (29%), carência para pagamento de impostos e taxas (25%) e consultoria para readequação do negócio (22%).

Obter capital de giro é fundamental para a empresa operar regularmente, pois permite alocar os recursos na sua administração e operação, garantindo a sua sobrevivência no longo prazo.

A pesquisa apontou que, nessa semana, 70% dos negócios foram afetados negativamente pela pandemia, enquanto 20% foram impactados positivamente. Além disso, 78% tiveram redução do faturamento - na primeira semana da pandemia, havia chegado a -90%. Agora, 9% estão com faturamento em alta.

Corsan aumenta prazo para não cortar água de clientes inadimplentes

- Tendo em vista os reflexos da crise provocada pelo coronavírus, para além da operação do seu negócio, os empreendedores se viram obrigados a buscar outras formas de obtenção de capital de giro como, por exemplo, as linhas de financiamento com instituições financeiras privadas e oficiais, e isso não tem sido tarefa fácil - diz o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy.

Desde o início da crise do coronavírus, o governo já anunciou diversas modalidades de apoio financeiro a pequenos negócios, mas apenas 4% chegaram aos empreendedores, segundo pesquisa do Sebrae Nacional.

O monitoramento do Sebrae RS aponta que 34% dos empreendedores entrevistados buscaram empréstimo para manter o seu negócio após o início da crise. Porém, entre estes, apenas 37% conseguiram efetivar a operação, 40% não conseguiram e 23% estão com o pedido em análise pela instituição. Na semana passada, o governo federal sancionou lei que cria nova linha de crédito para os pequenos negócios atingidos pela crise.

Para Godoy, a boa notícia é que o Pronampe permite que Fintechs e cooperativas de crédito também operem essa linha de crédito.

- Essa pode ser uma solução facilitadora da chegada desses recursos ao empreendedor - diz.

A SITUAÇÃO DAS PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO

Perda no faturamento

  • 53% das empresas - Perdeu mais do que 50%
  • 18% - De 41% a 50%
  • 15% - De 31% a 40%
  • 6% - De 21 a 30%
  • 3% - De 11 a 20%
  • 1% - De 6 a 10%
  • 2% - Até 5%

Expectativa dos negócios nos próximos 30 dias

  • 49% pretende manter
  • 24% pretende reposicionar
  • 11% pretende expandir
  • 10% reduzir
  • 6% pretende encerrar

Necessidades

  • 64% capital de giro
  • 37% isenção de Impostos e taxas

Financiamento

  • 34% buscaram empréstimo
  • 66% não buscaram empréstimo

Dos que buscaram empréstimo

  • 37% conseguiram
  • 23% estão em análise
  • 40% não conseguiram

Motivos por não conseguir empréstimo

  • 32% - Taxas de juros alta
  • 21% - Falta de garantias ou avalistas
  • 16% - Empresa não possui capacidade de pagamento suficiente
  • 11% - Empresa ou sócio com restrições cadastrais
  • 11% - Empresa possui alto endividamento
  • 11% - Não sabe


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190