colunistas do impresso

Quaresma da minha infância

A quaresma era outra e o rito da Igreja rigoroso. Iniciava na Quarta de Cinzas com o traço da cruz na testa dizendo que somos pó, e em pó tornaremos. As famílias celebravam.

Minha infância foi nas Dores, em 1950-60. Lugar que achava o mais feliz, só gente boa que, com sua excentricidade, me fez o que sou.

A quaresma era outra e o rito da Igreja rigoroso. Iniciava na Quarta de Cinzas com o traço da cruz na testa dizendo que somos pó, e em pó tornaremos. As famílias celebravam. Umas sentavam juntas, outras iam pela tradição: masculinos bancos à direita, femininos à esquerda.

Era tempo de silêncio. Sem sino, a banda da Brigada que ensaiava pela rua, silenciava, e os santos cobertos de roxo, da cabeça aos pés

Com o colega Clery, lembrei a proibição de brincar de roda ou rir, e o ato escolar feito por obediência professoral: beijar o Senhor Morto da Igreja. De avental branco, tope marinho, sapato preto, carpim branco ia com medo crente que Ele via tudo. De lá herdei o dito: Jesus tá vendo!

O padre rezava de costa, a hóstia era na boca do fiel ajoelhado nos muros frente ao altar. Senhora de véu preto, menina de branco. Entre os muros ficava Jesus.

Semana Santa era melancolia, respeito, oração, e sabia que se compunha pela Quarta de Treva, Quinta do Lava-pé, Sexta Maior, Sábado de Aleluia, e Domingo de Páscoa. Havia experiência de fé com exagero litúrgico, medo e mistério. Uns procuravam a aleluia para evitar o fim do mundo. Nunca entendi isso.

Nas sextas, Via Sacra obrigatória. A tradição era mágica, e a celebração marcante. Grande era a procissão do Domingo de Ramos e a da Quarta, onde o Sermão do Encontro fazia chorar.

A Sexta Maior se repetia ano a ano, mas a emoção renovava com paroquianos de personagens, e som de lança e matraca enchendo o silêncio. Que cena da Verônica e a toalha com o rosto de Jesus antes da procissão do Senhor Morto! Só choro! No cortejo iam fiéis, guardas, e matraqueiros, meu irmão um era.

Na sexta, pairava respeito, e quase sempre chovia espalhando a dor de Jesus. No rádio, música sacra. O comércio fechava. Nada de correr, puxão, gritar, brigar, bola, ou fincar pau no chão, o solo sagrado não se feria. Não se varia a casa, não se usava vermelho, nem fazia barba. Em casa, jejum. Era pecado sobremesa. Bolacha nem pensar. Tudo remetia ao domingo.

No sábado, malhar o Judas, e esperar o Domingo para abrir a janela, que segundo os pais, os anjos cantavam a Aleluia. Eu tirava o atraso com doce açucarado, chocolate, e ovo de galinha envolto em crepom, recheado com amendoim torrado no fogão a lenha.

Que pena! Tudo acaba. Muitos só vêem o feriado. Não julgo só me soa incoerente a quem se diz cristão. Cada um com sua fé e politicamente falando, é bom viver na democracia.

A tradição religiosa tem valor para além da religião, e seja ela qual for, é importante a referência que considere a pessoa, sua relação com Deus, o outro, e o mundo, levando-o a discernir o ter do ser.

Caro leitor, lembras a quaresma de sua infância?


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190