colunista do impresso

Opressão feminina

A violência psicológica muitas vezes é mais grave e traz consequências mais devastadoras

Todos os dias há notícia de violência contra mulher, só pelo fato de a vítima ser mulher. As agressões divulgadas podem ser comparadas à pequena ponta de um grande iceberg, pois a esmagadora maioria das agressões não chegam ao conhecimento das autoridades e, por isto, terminam não sendo noticiadas.

Nos últimos dias tem repercutido o caso do jogador Robinho, que foi condenado pela justiça italiana por estupro. O que se nota é que há um considerável número de pessoas relativizando e até mesmo admitindo a violência que o jogador admitiu ter praticado. No caso, ele e outros, aproveitando-se da embriaguez da vítima a violentaram sexualmente de diversas formas. Ele não nega, mas se justifica, como se o fato de mulher estar embriagada, sem possibilidade de consentir ou reagir, pudesse dar o direito de qualquer um tomá-la como se fosse um objeto e abusar de seu corpo. Não se trata de um "Zé Ninguém", mas de um jogador de ponta, que para o bem e para o mal termina sendo exemplo.

Na esteira de fatos lamentáveis desta natureza chega-se com frequência ao feminicídio pelas razões mais banais, como ocorreu nesta semana em Minas Gerais, quando o candidato a vereador Adílio S. Gomes matou a facadas sua mulher, a servidora pública Roberta Araújo, em razão de uma briga pela porta da geladeira aberta.

Isto decorre de uma cultura machista em que homens se acham superiores às mulheres, ou, o que não é raro, algumas mulheres acreditam que os homens são superiores. Isso nem sempre significa ódio ou um esforço para excluir as mulheres, mas o descaso para com elas, que são reduzidas a objetos de fruição e prazer e, por serem objetos, descartáveis.

Mas não só a violência física é opressora. A violência psicológica, tão grave e talvez mais comum do que a violência física, dificilmente é denunciada. Caracteriza a violência psicológica submeter a mulher pelo medo, desqualificar sua imagem e, sobretudo bloquear as formas pelas quais ela pode sair da situação de opressão.

É importante trazer estas questões à lume, porque, ao mesmo tempo que escancara o machismo reinante, desperta nas mulheres e nos homens a consciência da brutalidade a que o sexo feminino está sujeito, e somente a tomada de consciência dos resquícios de barbárie que contornam o machismo poderse-á construír um ambiente de respeito e igualdade de direitos.

A afirmação pode parecer brutal, mas precisa ser afirmado que, para um número considerável de pessoas, as mulheres são equiparadas a semiescravas.

Quando se fala em violência contra a mulher geralmente nos vem à ideia aquela mulher machucada, com lesão física. Mas a violência psicológica muitas vezes é mais grave e com consequências mais devastadoras, e acaba passando desapercebida até mesmo dá própria vítima.

Daí a importância de denunciar casos de abusos e puni-los, como forma de gerar uma nova consciência social assunto.

mais sobre:

sérgio blattes


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190