colunistas do impresso

Mulheres continuam vulneráveis

Geralmente, a violência psicológica é a porta de entrada da agressão física

O recente caso do gaúcho, "homem de bem", rico e com prestígio social, que foi ao Egito para tornar público e evidente seu verdadeiro caráter, mostra que não é fácil mudar o que está consolidado há séculos na forma como os homens tratam as mulheres. As mulheres, tanto no ocidente como no oriente sempre estiveram subordinadas aos homens e privadas de direitos assegurados ao sexo masculino. Esta subjugação da mulher passa pela violência psicológica e física.

No século passado, até a Constituição de 1988, as mulheres estavam vedadas de praticar determinados atos da vida civil sem o consentimento do marido. Ainda hoje mulheres são dependentes de seus companheiros e muitas vivem num estado de semiescravidão porque não têm como se sustentar, nem para onde ir. São submetidas a viver sob o tacão opressor masculino do pai, do irmão ou do companheiro.

Desde 2006, entrou em vigor a Lei Maria da Penha, que tem por objetivo coibir e punir atos de violência doméstica contra mulher. Entretanto, apesar do grande número de inquéritos e processos, ainda são poucos os casos que chegam à justiça. Muitas mulheres ainda não levam o caso à delegacia por medo das consequências e, inclusive, por submissão não compreenderem como graves as agressões que sofrem.

Contudo, é certo que a Lei Maria da Penha é um instrumento civilizatório, que não muda comportamentos por si só, mas aos poucos irá criando uma nova consciência a respeito da questão.

Há um tipo de violência que dificilmente gera inquérito policial e processo judicial, é a violência que não deixa marcas, não é física, é psicológica e geralmente não é vista como sendo uma agressão, mas é uma forma sutil de dominação, que amedronta, fragiliza e submete a mulher.

São muito raros os casos em que a violência psicológica é identificada pela mulher, ou mesmo por pessoas que convivem com ela.

A violência psicológica pode se apresentar de diversas maneiras, como quando a mulher é ameaçada, constrangida, humilhada, manipulada, permanentemente vigiada, insultada, ridicularizada, impedida de ir ou frequentar determinados lugares. Também pode ser violência psicológica a proibição de trabalhar fora ou, quando permitido, exercer controle financeiro sobre os ganhos da mulher.

Não é só. Desfazer dos atributos femininos da mulher, taxa-la de ignorante ou louca, dentre tantas outras possibilidades de afetar a dignidade pessoal da mulher e moldar seu comportamento.

Geralmente, a violência psicológica é a porta de entrada da agressão física, quando o ofensor encontra resistência ou "indisciplina" da mulher.

Daí a importância das mulheres estarem atentas para indicativos de dominação e de índole agressiva do companheiro. Esses são sinais de alerta para fatos mais graves.

Identificando sinais de opressão e/ou agressão à qualquer mulher é possível e recomendável a qualquer pessoa que ligue para o 180 e denuncie.

CONFIRA OUTROS TEXTOS:
Crime e castigo


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190