opinião

O grito de Cuba e o silêncio dos defensores do regime

Colunista fala sobre setores da esquerda que, historicamente, idolatraram os horrores da família Castro

18.386

Em tempos que a palavra genocídio tomou as redes sociais, o olhar e o ouvido, quando seletivos, acabam por ver só um lado dos acontecimentos. Ao longo dos últimos anos, quem frequentou os bancos de escolas e universidades públicas ouviu a história da carochinha: a de que se havia o Paraíso na Terra, ele seria a ilha de Cuba. 

Acontece que os irmãos Castro, ao longo dos últimos 60 anos, cadenciaram a vida de um povo que foi privado de tudo que existe atualmente no mundo. 

Quatro nomes confirmam inscrições para sucessão à Reitoria da UFSM

Na ilha castrista, o legado do comunismo, que é o primo mais extremista do socialismo, é percebido, visto e sentido até hoje. Tanto um modelo quanto outro são sistemas político-econômicos que se valem das piores combinações: coerção, selvageria respaldada pelo Estado, e dirigentes partidários oportunistas que estendem os tentáculos e que acabam por dilapidar o patrimônio e roubar o dinheiro público e o futuro de gerações. Aliás, são os pobres que eles mais penalizam.

Serviço de parquímetro é motivo de reclamação

A turma que idolatra a foice e o martelo ignora o óbvio: de que o país é uma ilha-presídio. Os militantes de redes sociais que, por aqui, escrevem textões e conjecturam sobre o "exemplo" de Cuba na saúde e na educação, suprimem de suas discussões intelectualizadas o desrespeito aos direitos humanos. A opressão e o aparato do Estado são tão sufocantes que, em Cuba, até a internet é censurada. O Estado é quem decide o que acessar. 

REPRESSÃO

Desde o último domingo, os protestos têm ganhado as ruas em Cuba. Os relatos da ilha dão conta que, com a propagação das manifestações, o presidente do país, Miguel Díaz-Canel, fez um pronunciamento na TV para convocar apoiadores a tomarem as ruas para "confrontar" os manifestantes. Mas nada disso importa, os intelectuais da esquerda dirão o de sempre: a culpa pela crise é em função do embargo dos Estados Unidos e às medidas do governo Donald Trump _ que, aliás, o queridinho deles, Joe Biden, ainda mantém.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190