opinião marcelo martins

A falácia da Kiss

Colunista fala da leviandade com que o tema é tratado ainda por muitos


Foto: Renan Mattos (Diário)

Desde a fatídica madrugada de 27 de janeiro de 2013, quando o mundo se voltou para a distante Santa Maria que se mostraria o cenário do segundo maior incêndio do Brasil -, ficando atrás apenas da mortandade do Gran Circus Norte-Americano, em Niterói, na década de 1960, que matou mais de 500 pessoas -, muito já se falou sobre a tragédia da Kiss.

Ainda é dito que se tratou de um triste acontecimento. De forma que, ao se colocar nesses termos, é como se amenizasse e se tentasse minimizar o horror daquela noite. Ou ainda, é como se a morte por asfixia - combinada à colocação de uma espuma imprópria de segunda mão e altamente inflamável - fosse menos horrível quanto uma morte pelo fogo do incêndio. Horror, mesmo, é a capacidade de se tentar, com o passar do tempo, diminuir o que houve aqui ou, o pior de tudo, de tentar colocar um ponto final em uma história tão dantesca.

Leia mais colunas de Marcelo Martins

Nesses mais de seis anos, há quem diga que "depois da Kiss, Santa Maria nunca mais foi a mesma" ou que "a Kiss atrasou muito a cidade". Tentar creditar à tragédia de 27 de janeiro o fato de Santa Maria patinar, ano após ano, em índices de crescimento e de capacidade de se reinventar economicamente e de superar tantos gargalos é, no mínimo, patético. Para não se dizer que é um ato de má-fé ou de falta de caráter. O fato é que, realmente, Santa Maria nunca mais será a mesma para aqueles pais que viram seus filhos saírem para se divertir - jamais imaginariam que pela última vez - e serem tragados pelo cianeto liberado durante o incêndio.  

Nesta semana, quando o processo criminal - o principal - teve um recurso julgado no STJ, o ministro relator do processo, Rogério Schietti, sintetizou de forma didática ao dizer que, mesmo que se tivesse sido uma única morte, por si só seria "um resultado danoso à vida humana". Mas na cidade onde a tragédia se deu, há ainda quem acredite que tudo não passou de uma lamentável tragédia - nada mais que uma alegação estapafúrdia e que foi derrubada desde as primeiras horas após o sinistro. Até porque a leniência e a inoperância das autoridades públicas somadas à irresponsabilidade dos donos da casa noturna de permitirem a utilização de um artefato pirotécnico, em um local fechado, se mostrou a combinação para o cenário de horror que rodou o mundo.

Tentar afiançar à Kiss o atraso da cidade é típico de um provincianismo e de uma mentalidade pequena de segmentos que sequer são capazes de abrirem o comércio aos domingos e que tentam afugentar investimentos de fora e, agora, se agarram à tragédia para justificar sua própria incompetência.

Respeito aos jovens e à memória deles e, igualmente, aos pais e aos mais de 600 sobreviventes é o mínimo que se pode exigir de quem se diz humano. 


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 

© 2021 NewCo SM - Empresa Jornalistica LTDA


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7188
(55) 3213-7190