viagem

Almas ligadas pelo destino

Colunista José Renato da Silveira escreve em homenagem 'às eternas mulheres da vida'


"Colhe a alegria das flores da primavera e brinca feliz enquanto é tempo. Sempre haverá os dias em que chegará o inverno e não terás o perfume das flores, nem o sol, nem a vivacidade das cores". (Augusto Branco)

Senti o inverno soprar no meu rosto. No ciclo eterno de ascensão e queda de nossa existência, o novo inverno aparecerá após o outono. O riso mórbido da Morte silenciará após o suspiro eterno. Ou não?

A vida ganhará novos contornos e novos sentidos após a perda?

Sentimos saudades. E as lembranças são colhidas em flashbacks dia após dia. Lembramos e lembraremos dos amados e das amadas que já se foram nos detalhes, nas minúcias da vida. Uma música. Um objeto. As histórias. Os sorrisos e risos. Os presentes. As lágrimas. Aquele abraço gostoso. Aquele beijo quente.

O gosto da lembrança impressiona e é marcante. Sentimos uma centelha, uma esperança do reencontro. Talvez seja o presságio de algo eterno e imutável. Da vitória da Vida sobre a Morte? De laços que não se rompem? De mãos que não se desgrudam? Fios que tecem cadeia... no infinito chamado amor. O amor que não tem fim. Renova. Purifica, Enobrece. Enaltece.

Ah! Quando as imagens vívidas ou menos intensas das lembranças retornam... é uma dádiva sentir aquele momento mágico e divino. A vida pulsa no reencontro entre almas ligadas pelo destino. O destino é uma coisa engraçada. O que é o destino? É uma força do imponderável? Uma Deusa? Um tempo feiticeiro? Escolhas certas ou erradas que nos levam naquele ponto. Algo pré-determinado? Algo escrito em letras tortas? Bem, enfim, não sei.

Como diria Alberto Caeiro, heterônimo criado por Fernando Pessoa, "é talvez o último dia da minha vida. Saudei o sol, levantando a mão direita. Mas não o saudei, dizendo-lhe adeus. Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada".

"Não importa se a estação do ano muda... Se o século vira, se o milênio é outro. Se a idade aumenta... Conserva a vontade de viver, Não se chega a parte alguma sem ela." Fernando Pessoa

Minha mãe querida, Lídia Barbosa, deixe a vida correr e movimente seus dias. Temos que fluir como a água que corre, assim a vida não deteriora.

Beijos e Feliz aniversário!!!

Esse texto é em homenagem a minha avó Olga, a minha mãe Lídia, a minha tia Carmen e a minha irmã Isabel. As eternas mulheres da minha vida.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190