viagem

Aguardo Deus com gula

Colunista José Renato da Silveira fala sobre mais um dos pecados capitais

"E se for para morrer de fome que seja a fome do ódio. E se for para morrer de gula que seja gula de amor". Daniela Lacerda 

Quando criança, a cozinha naquele tempo era apenas uma satisfação pantagruélica. 

Mas eu notava como mamãe adorava (adora) cozinhar. Nas festividades de fim de ano, ela sempre prepara diversos pratos culinários. A mesa abençoada, o momento festivo e nostálgico da hora de comer. Como já escrevi outra vez: "as conversas, os olhares, o silêncio saboroso e o barulho dos talheres. Quando estamos na presença de nossa família e de pessoas especiais, sentimos uma centelha divina. É um raro momento de epifania". 

Nas festas de fim de ano, a gente tem que levar uma vida mais leve, sem se punir principalmente em relação à gula. É o que eu penso. "Se faz sentido, naquele momento, comer algo que te faz bem e dá prazer, não tem porque se punir por isso", diz o servidor público Rodrigo Lourenço (criador da página Gula Certa). 

No quesito saúde, o nutricionista Victor Hugo Machado afirma que comer além do necessário nem sempre é prejudicial. Segundo ele, o ato de comer vai além da alimentação: está conectado com fatores psicológicos e emocionais. "Quando a pessoa está em um ambiente afetivo, ela pode acabar passando do ponto. E, neste caso, a gente pode até chamar isso de uma 'gula do bem'". Machado destaca que é preciso ficar atento quando é uma prática constante: "Aí podemos pensar, talvez, em compulsão alimentar - que é algo psicológico, que pode ter a ver com as dores internas". 

O ato de comer é algo tão cosmopolita que uma pesquisa do sociólogo francês Claude Fischler e do psicólogo israelense-americano Daniel Kahneman observou a felicidade em países diferentes e descobriu algumas semelhanças sobre o que as pessoas gostam de fazer e uma delas foi comer. 

Porém, existem algumas diferenças. 

Os franceses, por exemplo, dedicam bastante tempo às refeições, desde o preparo até o ato de comer em conjunto. Para eles, comer é um momento especial que não devia ser compartilhado com outra atividade. Hora de comer é hora de comer! Como diria minha afilhada Flora: "Não é hora de cantar, é hora de comer". 

Por outro lado, os americanos mostraram que gostam de comer fazendo outras coisas ao mesmo tempo, como falar ao telefone ou ver TV. 

De qualquer maneira, é um ato de prazer e satisfação. Vale destacar que comer libera alguns hormônios que ativam sensações felizes (endorfina e serotonina). Endorfina e serotonina são neurotransmissores que agem para regular o sono, controlar a temperatura do corpo, o apetite, humor, ansiedade e estresse. 

Nada em excesso faz bem para a saúde. Isso é indiscutível. 

O poeta galês George Herbert (1593-1633) advertia que "a gula mata mais do que a espada". Cá pra nós, um exagero por parte do sacerdote anglo-galês. 

Confesso que eu sigo as palavras do inesquecível poeta francês Arthur Rimbaud (1854-1891): "Aguardo Deus com gula".


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190