sociedade

O homem que nunca desiste

Colunista José Renato da Silveira fala sobre perseverança


Num templo distante, erguido nas montanhas do Japão, quatro monges decidiram fazer um retiro que exigia silêncio absoluto. O frio era intenso. Logo, uma onda de ar gelado penetrou no templo.

O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte

O monge mais jovem gritou:

- A vela se apagou!

- Por que você está falando? Repreendeu o monge mais idoso.

- Estamos fazendo uma cura pelo silêncio.

- Não entendo por que vocês estão falando em vez de calarem a boca, como foi combinado! - berrou o terceiro monge, indignado.

- Eu sou o único que não disse nada! - declarou, orgulhoso, o quarto monge.


Essa história fala da dificuldade que temos em viver além do ruído das palavras. Um dos poemas mais célebres do Taoísmo, afirma que é no silêncio e no vazio que todas as coisas estão presentes em potencial.

Um dos meus sonhos é conhecer o Japão. Eu admiro a história, a culinária, o sistema educacional, o sistema de transporte, a cultura e os valores japoneses.

Vale citar que o Japão possui elevados níveis de escolaridade e a cidade de Tóquio apresenta um sistema de transporte invejável e altamente desenvolvido: numerosas linhas de trens, metrô e de ônibus. Um sistema de transporte público e eficiente.

Deixe-se levar pelas belezas do mundo

Algo que me chama atenção das inúmeras características positivas do povo japonês é a disciplina, a assiduidade e a perseverança.

Sou brasileiro e não desisto nunca

Ultimamente, uma frase associada à persistência tomou corpo e força no Brasil. Ela se propagou intensamente: "Sou brasileiro e não desisto nunca". Apesar do cenário de desesperança, de crise, de aflição, de sofrimento e angústia que vivemos.

Na perspectiva otimista de "tempos melhores virão", relembro da história de um ilustre brasileiro que ensinou um famoso japonês sobre o ato de nunca desistir. Refiro-me ao duelo inesquecível entre o brasileiro Hélio Gracie e o japonês Masahiko Kimura.

Uma porta fora do tempo

Kimura era o atual campeão mundial de judô. Considerado no Japão o maior judoca de todos os tempos. Ele pesava 85 kg e tinha 1,70 de altura. Enquanto Hélio Gracie pesava 60 kg e tinha 1,75 de altura. Kimura estava invicto nos seus 15 anos de carreira como atleta.

Hélio Gracie também estava invicto. Kimura ganhou a luta. Usou uma chave de braço chamada de ude-garami e depois batizada no jiu-jitsu com seu nome.

Hélio resistiu por 18 minutos arrancando elogios do adversário em plena luta. Hélio recusou-se a bater por desistência. E só foi vencido quando seu irmão, Carlos Gracie, invadiu o tablado e bateu no chão três vezes (desistência), temendo fratura séria.

Kimura, ao longo de sua vida, deu diversos depoimentos enaltecendo ao rival, chamando-o sempre de "o homem que nunca desiste".

Meus caros leitores, sendo assim, apesar dos tempos de incertezas, não esqueçamos que: "A dor é inevitável. O sofrimento é opcional. Perseverar sempre. Desistir jamais". Eu não desisti.


fale conosco

redação
[email protected]
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)
Endereço
Faixa Nova de Camobi, 4.975, Bairro Camobi, CEP 97105-030, Santa Maria - RS

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3213-7272
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3213-7272
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)
[email protected]
[email protected]
chat

para anunciar
(55) 3213-7187
(55) 3213-7190