contatos Assine
superlotação

Conselho de Saúde e MPF pedem solução para superlotação do Hospital Universitário

26 Janeiro 2018 16:30:00

Com a maternidade da Casa de Saúde fechada, o Centro Obstétrico do Husm trabalha além da capacidade

Thays Ceretta

Fotos: Charles Guerra (Diário)
O Husm, que já é referência em atendimento à gestação de alto risco, tornou-se o único local da região a fazer partos pelo Sistema Único de Saúde (SUS)

Preocupados com a situação do Centro Obstétrico do Hospital Universitário de Santa Maria (Husm), integrantes do Conselho Municipal de Saúde visitaram o local para ver de perto o que as pessoas passam dentro do prédio. O cenário está longe de mudar. De um lado, gestantes de várias cidades da região que acabam ficando mal acomodadas em cadeiras e macas no pré e no pós-parto por falta de espaço. De outro, a equipe, que continua a mesma, trabalha incansavelmente para não deixar de atender as mulheres em um momento delicado de suas vidas.

Desde o fechamento da maternidade da Casa de Saúde, no dia 1º de novembro, o Husm, que já é referência em atendimento à gestação de alto risco, tornou-se o único local da região para partos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em razão disso, o número de atendimentos por mês aumentou cerca de 60%. A média mensal, até outubro de 2017, era de 180 partos e cesareanas. A partir de então, passou para 242 e 258, nos meses de novembro e dezembro, respectivamente.

Durante a visita, os conselheiros puderam perceber essas condições da unidade. Conforme a presidente, Benildes Maria Giuliani Mazzorani, a preocupação é com a segurança dos usuários e com as atividades desenvolvidas pelos profissionais, já que esses apresentam sinais de cansaço e adoecimento.

- A preocupação básica é a questão da intensa circulação de pessoas e do atendimento. A equipe está dimensionada para um número de usuários com 10 leitos e, no dia da visita, tinha 35 gestantes pelos corredores, em macas, cadeiras e nas salas de consulta. O que precisa ser obervado é que o Husm é referência para gestação de alto risco, e isso dificulta, e muito, as ações realizadas pela equipe por causa da demanda. Eles acababam ficando na situação de esgotamento, prejudicando a saúde do trabalhador e dos usuários - destaca Benildes.

Ontem, havia 26 mulheres internadas e, em sete horas, 29 gestantes passaram por uma consulta.

Exame não confirma suspeita de dengue em Santa Maria

HUMANIZAÇÃO 

Outra situação denunciada pelos conselheiros foi a falta de privacidade das gestantes. No relatório, consta que "o momento do nascimento pede tranquilidade, silêncio e confiança no ambiente e na equipe de atendimento, conforme preconiza a Política de Humanização do Parto e do Nascimento".

O chefe da divisão médica do Husm, Larry Argenta, comenta que a visita do Conselho foi positiva, porém, para ele, a solução seria a reabertura da maternidade da Casa de Saúde, já que o hospital absorvia 40% dos partos de baixo risco. Atualmente, a demanda recai toda no Husm, sendo que deveria atender apenas partos de alto risco.

- Mesmo com a gente fazendo cerca de 60% dos partos de alto risco, esse número já ocupava toda a nossa capacidade de atendimento. Daí, de repente, chegam todas essas gestantes que faziam lá (na Casa de Saúde). E não é só o parto, tem a consulta de porta aberta, o que quer dizer que qualquer gestante chega ali e consulta. Isso ocupa tempo, pessoas. Sempre que se atende além do limite, não se trabalha com condições de seguranças ideais para a equipe e para os pacientes - explica.

Ainda conforme Larry, a solução seria o entendimento do Estado com a Casa de Saúde para a reabertura da maternidade. O que era pra ser uma situação transitória já se arrasta há quase três meses.

AÇÕES

Diante desse cenário, o Conselho Municipal de Saúde de Santa Maria, enquanto órgão fiscalizatório de controle social, irá solicitar providências por parte dos gestores estaduais. O relatório aponta que "não é mais uma questão eventual, mas configura um problema de saúde pública, sendo somente um dentre tantos outros evidenciados em nossa cidade envolvendo o governo do Estado do Rio Grande do Sul". Um relatório sobre a situação do maior hospital público da região central do Estado foi entregue ao Ministério Público Federal (MPF).

O órgão solicitou que a 4ª Coordenadoria Regional de Saúde (4ªCRS) e a prefeitura de Santa Maria, por intermédio da Secretaria de Saúde, manifestem-se no prazo de 48 horas sobre as providências a serem adotadas em relação a curto médio e longo prazo sobre o fechamento da maternidade da Casa de Saúde, que tem gerado a concentração dos atendimentos às gestantes no Husm, com a sua consequente superlotação. O ofício foi encaminhado no dia 24 de janeiro, ou seja, uma resposta deve ser encaminhada ao MPF até hoje.

Pediatras aprovados em concurso da prefeitura de Santa Maria não suprem a falta de profissionais

Além da demanda, é preciso paciência e solidariedade 

A capacidade do Centro Obstétrico de Husm é de 10 leitos e, há quase três mês, eles são revezados entre as gestantes. Na última quarta-feira, havia 28 pacientes internadas. Em quatro horas, 15 mulheres passaram por uma avaliação. Além de faltar leitos, falta lugar para acomodar também os recém-nascidos, neste caso, o colo dos pais é o mais indicado. Com a superlotação, as mulheres acabam sendo acomodadas em macas, cadeiras e nas salas de consultas.

Além de ter paciência em função da espera, as pacientes precisam lidar com o calor. Grávida de 38 semana do segundo filho, Rosane Pereira Fernandes, 33 anos precisava de ajuda para respirar melhor. Com um papel na mão, Cleone Brum da Silva, 56 anos, abanava a cunhada.

- Nós viemos cedo, lá de São Sepé. Estou com dor nas pernas, e está difícil de caminhar. Sinto as contrações, mas estou esperando a segunda consulta para saber o que vão fazer. Ficar aqui é complicado, tem muita gente, e ficamos preocupados com os outros também - conta a gestante que está à espera de Lucas.

Luciane Libraga, 37 anos, era uma das 18 mulheres que estavam nessa situação. Sentada na maca, ela aguardava o momento do parto ao lado do marido.

- Viemos na terça-feira, mas como não tinha leito mandaram eu ir pra casa e voltar na quarta-feira bem cedo. Sei que não é uma situação confortável, gostaria de mais privacidade, mas não tem lugar, temos que ter bom senso porque o que a gente vê aqui é uma situação de igualdade - desabada a mãe da Ana Laura que está com 39 semanas de gestação.

A enfermeira do Centro Obstétrico, Ana Paula Bastos, percebe que as famílias entendem o problema, e que toda a equipe está unida, ajudando uns aos outros, mas o estado emocional dos profissionais acaba sendo afetado.

- Mais que o cansaço, eu tenho medo. Fico pensando: "se entrar uma emergência, a dificuldade que vai ser para passar a maca pelo corredor que está lotado de pessoas, bebês e pelos profissionais que circulam". Mesmo com tudo isso, os familiares sabem do problema e notam que a gente está se ajudando - comenta Ana Paula.

Pediatras aprovados em concurso da prefeitura de Santa Maria não suprem a falta de profissionais


A estrutura

QUADRO CLÍNICO POR TURNO NO CENTRO OBSTÉTRICO

  • Enfermeiro - 3
  • Técnico de enfermagem - 5
  • Médico Ginecologista e obstetra - 2
  • Médico Residente - 2

NÚMERO DE PARTOS POR MÊS

  • Outubro - 78
  • Novembro - 133
  • Dezembro - 156

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7110
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas falhas de entrega)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249