contatos Assine
fogo

Três incêndios em campo por dia são atendidos em Santa Maria

13 Janeiro 2018 12:00:00

Maior ocorrência deste verão durou 16 horas, no distrito de São Valentim

Camila Gonçalves

Foto: Divulgação (Corpo de Bombeiros
Bombeiros utilizaram 15 mil litros de água para combater fogo no Distrito São Valentim

O verão, tipicamente, costuma ser a época de maior incidência de incêndios em campo ou mata. Desde o dia 21 de dezembro, quando a estação mais quente do ano começou, até esta sexta-feira, o número de ocorrências desse tipo já é 70% maior em relação ao mesmo período anterior em Santa Maria. A média de atendimento dos bombeiros na cidade até agora é de três incêndios por dia. Segundo o Corpo de Bombeiros, a suspeita é que boa parte dos incêndios seja provocada por uma prática muito comum, especialmente em propriedades rurais, a chamada "queimada controlada". A corporação alerta que, ao contrário do nome, a técnica, na verdade, pode fugir do controle, uma vez que o calor e o tempo seco favorecem a propagação das chamas em pouco tempo. 

Incêndio atinge área do Exército em Santa Maria

O maior incêndio dessa tipo em Santa Maria, desde o início do verão, oc orreu na última segunda-feira, em uma propriedade no distrito de São Valentim. O atendimento da ocorrência demandou concentração de esforços durante 16 horas. Divididos em turnos, 11 bombeiros atenderam ao sinistro que consumiu 20 hectares de eucaliptos na propriedade, que tem cerca de 400 hectares. Foram utilizados 15 mil litros de água para a ocorrência. Um dos relatos informais aos bombeiros dava conta de que o fogo teria sido causado por técnicas de extração de mel na região.

O chefe do gerenciamento de ocorrências do 4º Batalhão do Corpo de Bombeiros, capitão Elisandro Machado, alerta para os riscos:

_ Muitas pessoas utilizam esse tipo de queima para "higienizar" o local. É uma questão cultural que precisamos mudar. Uma pessoa que não tem conhecimento da direção do vento, do potencial de queima da área e demais fatores pode, facilmente, provocar um incêndio de grandes proporções. Caso a chama atinja material inorgânico como pneus e colchões, há, inclusive, risco à vida por intoxicação, pois esses objetos têm elementos tóxicos em sua composição.

Suspeito de incendiar casas e carros em Camobi é preso

Atualmente, o 4º Batalhão dos Bombeiros conta com três caminhões-tanque, um em cada quartel de Santa Maria, e um caminhão reserva. A corporação deve receber mais dois caminhões-tanque em março, com recursos do Fundo Municipal de Reequipamento do Corpo de Bombeiros (Funrebom). De acordo com o comando, em regra, para cada caminhão, há quatro homens à disposição.

Foto: Corpo de Bombeiros (Divulgação) 
Incêndio em São Valentim consumiu 20 hectares

DENÚNCIA
No mesmo dia do incêndio em São Valentim, por volta das 22h, uma testemunha comunicou uma ocorrência de incêndio em mato no distrito de Passo do Verde. De acordo com ela, que entrou em contato pelo 193, havia fogo em uma faixa de vegetação que seria de domínio público. O sargento que atendeu a ligação, contou ela, perguntou se o fogo ficava próximo de alguma propriedade e relatou que não tinha efetivo para deslocar até o local. Segundo a testemunha, o fogo não se alastrou.

O comandante dos bombeiros em Santa Maria, major José Carlos Sallet, disse que, dentro das possibilidades, a corporação atende a todas as ocorrências imediatamente após ser acionada. Quando ocorrem muitos casos simultaneamente, a equipe está orientada a avaliar os riscos de cada um deles, elencar prioridades e, se necessário, solicitar apoio de outras unidades, ou mesmo do efetivo de folga.

Essa mesma testemunha contatou também o 2º Batalhão Ambiental da Brigada Militar. De acordo com o sargento Emerson Cristiano Rodrigues Santos, a denúncia será averiguada. Se o fato for caracterizado como incêndio de floresta ou de área de preservação ambiental, o responsável deve responder pelo crime na esfera judicial, pela reparação do dano junto ao Ministério Público, e deve pagar multa ainda na esfera administrativa.

SAIBA MAIS 

É proibida a queima em mato 

  • No Brasil, o emprego de fogo em matas ou campos é vedado segundo o Decreto 2.661 de 1998, que regulamenta o Código Florestal Brasileiro
  • Fogo em mato ou floresta é crime sujeito a detenção de 6 meses a dois anos se o incêndio for culposo e de 3 a 6 anos se houver intenção
  • Fogo em campo onde há atividade agropastoril também é proibido, mas, nesse caso, o autor é responsabilizado na esfera administrativa

    Exceção 
  • No Rio Grande do Sul, um decreto estadual autoriza a queima como instrumento de defesa fitossanitária (combate a pragas e insetos), mas exige que o dono da propriedade entregue à Secretaria Estadual de Meio Ambiente um laudo técnico elaborado por profissional habilitado, descrevendo qual área será atingida, como será feita a contenção e quais equipamentos serão utilizados

Denuncie

  • Qualquer pessoa pode denunciar fogo em mato no 2º Batalhão Ambiental da Brigada Militar pelos telefones (55) 3221-7372 e 3286-1455

Como evitar

  • Não fazer a "limpeza" de terrenos ou campos utilizando fogo
  • Evitar deixar fogueiras, chamas acesas, ou brasas, especialmente em acampamentos ou locais de lazer próximo à vegetação
  • Não jogar bitucas de cigarro no chão ou qualquer fonte de energia que possa vir a se tornar princípio de incêndio

Ocorrências de fogo em campo ou mato

  • 21 de dezembro de 2016 a 12 de janeiro de 2017 _ 18
  • 21 de dezembro de 2017 a 12 de janeiro de 2018 _ 60

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249