contatos Assine
solidariedade <3

Animais com histórias de abandono ilustram calendário

10 Janeiro 2018 17:41:00

Quem lembra do Cão Amigo ou da Gorda do Calçadão?

Foto: Reprodução

Quem lembra da Gorda do Calçadão, uma cadela para lá de simpática que, antes de ser adotada, ganhava carícias (e lanches) de muita gente que circulava pelo Centro de Santa Maria? E o Cão Amigo, que viveu cerca de 20 anos pelas ruas da cidade, nas imediações das Praças dos Bombeiros? Apesar de os dois já terem morrido, foram escolhidos para ilustrar um calendário, de 2018, feito pelo Clube dos Animais de Santa Maria.

VÍDEO: conheça Tobias, o cão mascote de uma farmácia em Santa Maria

Além deles, outros animais como a Linda - aquela cachorra que no ano passado foi abandonada com as patas quebradas, em um saco - ou o Joe, cachorro que depois de ser arrastado por um fusca foi adotado por um casal de veterinários e seus filhos, também ilustram o material. Outros cães e gatos, que talvez você não tenha ouvido falar, mas que também foram abandonados e hoje vivem com tutores ou são cuidados pela ONG também estão marcando presença nas páginas.

O calendário é uma forma de a ONG arrecadar dinheiro. A partir de domingo, ele será vendido pelo preço de R$ 15. Quem quiser comprar na data de lançamento, é só chegar na Praça dos Bombeiros, das 11h às 19h, quando ocorrerá mais uma edição da Adoção Solidária. Depois, o calendário pode ser encontrado em postos de venda que ainda não foram definidos.

Quer adotar um cachorro ou um gato? Conhece um animal que precisa de um lar? Conheça o Adote

Marlene Nascimento, médica veterinária que integra o Clube, explica que a ideia do calendário surgiu para arrecadar dinheiro para comprar uma pistola usada para injetar tranquilizantes em animais que costumam ser mais arredios. A médica explica que o equipamento custa cerca de R$ 6,5 mil, além dos acessórios, um gasto de, no mínimo, R$ 7 mil. Para pagar os custos do calendário, os voluntários conseguiram patrocínio.

- Tem alguns animais que a gente quer tratar ou pegar para castrar e não consegue. Uma vez tinha um Pitbull com uma borracha de pneu amarrada na boca. Todo mundo correu, dias, atrás dele, para conseguir tirar, mas ninguém conseguiu. Depois foi encontrado morto - lembra a veterinária, explicando a importância do equipamento.

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249