contatos Assine
Consumo

Reajuste do salário mínimo reduz poder de compra do consumidor

05 Janeiro 2018 10:00:00

Os R$ 17 de aumento quase não impactam no orçamento dos assalariados. Veja alguns itens básicos de consumo que podem ser comprados com esse valor

Diogo Brondani

Fotos: Lucas Amorelli (Diário)/Se os R$ 937 do salário de 2017 forem atualizados pela inflação local, o mínimo teria de passar para R$ 962. Porém, o reajuste dado pelo governo foi para R$ 954 ? só R$ 17 (foto) a mais

Para quem recebe um salário mínimo por mês como rendimento, o reajuste de 1,81% anunciado pelo governo representa um acréscimo de R$ 17 ao valor praticado no ano passado, que era de R$ 937. Ou seja, o novo salário mínimo nacional a partir deste mês é de R$ 954. No entanto, essa alta não cobriu nem a inflação local dos últimos 12 meses até novembro de 2017 (o índice de dezembro e o de 2017 devem ser divulgado na segunda-feira) que foi de 2,67%. Ou seja, se fosse aplicada a inflação, o salário mínimo deveria passar dos R$ 937 para R$ 962 (R$ 25 a mais) para manter o mesmo poder de compra de 12 meses atrás. Como o salário subiu só R$ 17, significa que houve uma queda de R$ 8 no poder de compra.

Esse reajuste dado pelo governo Temer deve fazer pouca diferença no orçamento e deve ser usado no custeio dos alimentos, segundo o professor de Ciências Econômicas da Unifra coordenador do Índice do Custo de Vida de Santa Maria (ICVSM) Mateus Frozza.

Estado reajusta salário de professores que ganham abaixo do piso nacional

- Os R$ 17 de reajuste no salário, no meu entendimento, serão realocados na alimentação, tendo em vista que este setor é mais sensível ao aumento dos preços. Hoje, no Brasil, somos 45 milhões de pessoas que recebem apenas um salário. Na verdade, sobrevivem com R$ 954. As pessoas que recebem este valor, provavelmente, não realizam gastos com lazer e vestuário, direcionando sua renda na alimentação e habitação - analisa.

Além disso, Frozza destaca que quem recebe salário mínimo deve tomar cuidado com o endividamento, já que o reajuste, apesar de pequeno, abre margem para mais empréstimos consignados.

O reajuste deste ano é o menor desde o Plano Real, em 1994, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Até então, o menor aumento havia sido em 1999, quando o salário mínimo havia avançado 5,79% de reposição (veja gráfico). 

Conforme o departamento, a variação de 1,81% leva em consideração a soma da variação do PIB de dois anos antes e a variação do INPC do ano anterior. Especificamente em 2018, portanto, está sendo somado o resultado do PIB de 2016, que foi de -3,6%, com o INPC de 2017. Como o resultado do PIB de 2016 foi negativo, o reajuste do salário mínimo é feito apenas pela variação do INPC. Além disso, o 1,81% de variação do INPC é uma estimativa do governo, já que o percentual exato só será conhecido este mês.




VEJA QUAIS ITENS COMPRAR NO SUPERMERCADO COM R$ 17

Quais itens básicos para o uso do dia a dia você compraria no supermercado com R$ 17? Talvez pães e leite para o café da manhã? Ingredientes para o almoço? Ou ainda produtos de higiene e limpeza? Com tão pouca quantia em dinheiro, é possível comprar alguns destes produtos, no entanto é preciso pesquisar pelos preços mais em conta.

Confira no quadro abaixo alguns produtos para o consumo diário que você conseguiria comprar com o valor incrementado ao salário mínimo.

Quem vai às compras diariamente sabe que é preciso pesquisar preços se quiser economizar. É o caso da cozinheira Karina Spohr (foto ao lado), 33 anos, que diz que R$ 17 são muito pouco para qualquer coisa.

Financiamentos de veículos estão bloqueados em todo o Estado

- Se você pegar um quilo de feijão e um pedaço de carne, já foram os R$ 17. O jeito é aproveitar as promoções. Eu já mudei o hábito de comprar há algum tempo. Antes, fazia rancho para passar o mês, agora a gente compra só o necessário, sem esbanjar. A gente cortou alguns gastos extras. Para o meu filho, passei a comprar mais as frutas da estação em vez de bolachinhas e salgadinhos. Ele tem 8 anos, mas entende perfeitamente. Claro, que algumas coisas temos de pegar de uma marca melhorzinha, mas sempre de olho no preço - afirmou Karina, enquanto fazia compras.

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249