contatos Assine
Empreendimento

Produção da lã une família de Santa Maria

11 Agosto 2017 23:00:00

Atividade que iniciou como hobby virou complemento de renda para os Bernardes, que criam ovelhas em São Martinho da Serra

Diogo Brondani

A produção de artigos em lã que iniciou como um hobby serviu para unir a família e, ainda, incrementar a renda. Foi por meio da busca por uma ocupação depois da aposentadoria que a ex-funcionária pública Márcia Bernardes, 56 anos, e o marido Régis Bernardes, 56, encontraram no trabalho com lã uma atividade. 

A criação de ovinos na propriedade rural da família, em São Martinho da Serra, tinha a finalidade apenas de venda dos animais para abate. Foi então que surgiu a ideia de aproveitar a lã, que era descartada, para confecção de produtos como xergão, ruana (espécie de pala feminino aberto), palas, golas, coletes e pelegos para montaria e uso decorativo. Além disso, há a produção de rédeas a partir da lã e a venda do fio artesanal disposto em novelos.

- É um hobby que gera renda, e ao mesmo tempo mantém a família unida, já que todos se interessaram em participar da produção - destaca Márcia, que fez cursos para aprender o processo de utilização do material.

Produtores da região armazenam soja de olho no preço 

Como o marido, os filhos Guilherme e Matheus, e a nora Amanda Tatsch, são da área da Zootecnia e aos poucos a criação das ovelhas foi sendo aperfeiçoada para maior rentabilidade, não só em carne, como já era praticada, mas também em lã.

- Inicialmente, na propriedade, a criação de ovinos, principalmente da raça sufollk, era para consumo próprio e venda. Hoje, investimos também em raças como a texel e corriedale, que têm um melhor aproveitamento em lã, e proporcionam melhor qualidade aos nossos produtos - relata Matheus Bernardes, 21 anos.

Amanda, nora de Márcia, é quem faz o marketing dos produtos na internet e também ajuda nas vendas e confecção de alguns produtos.

- A gente aproveita o tempo vago para produzir. Enquanto estou olhando TV, vou tecendo os fios no tear de pregos. O método é simples e, depois que pega o jeito, rende bastante - diz ela.

Depois de aposentada, Márcia  Bernardes iniciou a produção de lã na família Foto: Lucas Amorelli / New Co DSM

COMERCIALIZAÇÃO
Hoje, todos os produtos levam a marca Fazenda do Rancho e são comercializados principalmente pela internet e em feiras agropecuárias. Além disso, os novelos de lã são destinados para lojas especializadas, em Santa Maria e Gramado. Na cidade, apenas uma loja vende os novelos produzidos. O proprietário do local, Daniel Antonio Gorski Pereira, apostou no produto há cerca de três meses e diz que percebe uma boa aceitação.

- É um produto natural, 100% lã. É um pouco mais cara do que a lã normal, mas quem conhece compra, pois sabe que ela rende mais e os trabalhos ficam mais bonitos. Há casos de cliente que não conhecia, levou para experimentar e agora não deixa de comprar - destaca o proprietário da loja.

Sindicato oferece mais de 10 serviços aos trabalhadores rurais

Os pelegos são tratados para que possam ser vendidos para decoração ou uso na montaria. No entanto, a venda é feita para clientes de fora do Estado.

- Muita gente não entende o trabalho que dá para deixar o pelego em condições de uso e acha caro pagar R$ 300 num pelego preto, que é diferenciado, por exemplo. Falta valorização. Daí acabamos vendendo para clientes do Paraná e outros estados - desabafa Matheus.

Foto: Lucas Amorelli / New Co DSM

EM FAMÍLIA
Xergões, ruanas, palas, golas, coletes, toucas, gorros, pelegos para montaria e uso decorativo, assentos para bancos e puffs, rédeas e fio de lã integram a linha de produção da família Bernardes. Todas as peças têm confecção artesanal. A lã retirada das ovelhas da propriedade vai para uma cooperativa de onde retorna tratada pronta para a confecção das peças. A partir daí, é feito o tingimento de forma artesanal na lã crua que ganha diferentes tons.

O detalhe é que apenas os processos iniciais são feitos na propriedade. A finalização ocorre no apartamento da família, em Santa Maria.

- É aqui que a maioria dos produtos ganha forma. Na roca elétrica, a lã crua ganha forma de fio. No tear, as ruanas são tramadas, como a confecção das rédeas e arreios - conta Márcia.

Segundo ela, os filhos Matheus e Guilherme atuam na confecção dos fios de lã mais grossos, para xergão e rédeas, bem como nas vendas. A nora Lícia Cogo, que é fisioterapeuta, também ajuda na produção e nas vendas.Os seus pais, Antoninho e Zaira Meneguello, são responsáveis pelos novelos de lã e rotulação. Régis é quem confecciona os xergões.

- A lã nos uniu mais ainda e todos gostam do que fazem. Além disso, o rendimento, que a gente não esperava, é ótimo - comemora a artesã.

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249