contatos Assine
Agronegócio

Equipe da UFSM testa plantio de soja em agosto

27 Novembro 2017 23:00:00

Pesquisa do Departamento de Fitotecnia mostrar que produtores devem ter cautela

Diogo Brondani

Produtores de soja estão adiantando o período de plantio a cada safra. Nos últimos cinco anos, a semeadura que antes era iniciada a partir de novembro, agora já é feita a partir do final de setembro e início de outubro. Mas, e se fosse possível plantar a partir de agosto, e ter a possibilidade de até duas safras de verão por ano? 

Uma pesquisa feita no Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) mostra que os produtores devem ter cautela em adiantar a semeadura para agosto. Integrantes da Equipe SimulArroz, um grupo interdisciplinar e interinstitucional formado por professores e alunos de cursos das áreas rurais, conseguiram resultados muito interessantes através de um estudo na área. 

 Apenas 50% da área de arroz foi plantada na região

Coordenados pelos professores Nereu Augusto Streck e Alencar Junior Zanon, os estudantes fizeram a semeadura de cultivares com diferentes ciclos (precoce, médio e tardio) no começo de agosto. Ou seja, antecipando o período em quase dois meses do tradicional. Mas isso só foi possível este ano por que o inverno não foi muito rigoroso e não teve geadas em agosto e setembro.

- O diferencial alcançado foi que diminui o aparecimento de doenças ou falta de irrigação. Além disso, a planta está apta à colheita em 100 dias, quando o ciclo normal é de 140 dias. Buscamos agora uma projeção do potencial de produtividade - disse Alencar. 

RENDIMENTO
Segundo ele, no plantio feito entre 1º de outubro e 4 de novembro, esse índice chega a 6 toneladas por hectare. No entanto, se a semeadura ocorrer depois disso, pode haver uma perda de 30 quilos por dia a cada hectare plantado. Isso devido a fatores como temperatura e o período de luminosidade do dia. 

 Empresário inventa minas terrestres para espantar ladrões de gado

Os resultados são frutos de mais de oito anos de pesquisas em várias regiões do Estado. Foram muitos estudos e análises teóricas até a prática. O objetivo é continuar disponibilizando informações aplicadas ao produtor por meio de seminários e até assistência técnica realizada pela Equipe SimulArroz e seus parceiros. 

- Se concretizada a possibilidade do início do plantio mais cedo, são grandes as chances de produtor executar mais de uma safra por ano, seja com a soja ou outras culturas como milho e feijão - afirma Alencar.

Quais as profissões que estão em alta e em baixa em Santa Maria 

Para Ioran Rossato, 25 anos, estudante do 10º semestre de Agronomia, o resultado do trabalho é gratificante.

- A recompensa é saber que o resultado vai sair daqui e chegar ao produtor, podendo oportunizar a ele uma possibilidade de incrementar a renda - avalia o estudante que integra o Simularroz.

 Empresas da região sobem no ranking das 500 maiores do Sul do Brasil

O professor de agrometeorologia Nereu Streck enfatiza os desafios e as conquistas do grupo de pesquisa.

- Cada passo é um desafio para a equipe, já que ela é multidisciplinar e multi-institucional. No entanto, este tipo de pesquisa proporciona atender as demandas do produtor. Não só em repassar a informação nova a ele, mas também prestando auxílio na decodificação da informação - considera o professor.

O SimulArroz
- O projeto que deu origem ao modelo SimulArroz iniciou em 2003 quando o Grupo de Agrometeorologia da UFSM começou a realizar experimentos com a cultura do arroz no Departamento de Fitotecnia da UFSM. Em 2006, a primeira parte do modelo de simulação foi calibrado para descrever a fenologia de algumas cultivares de arroz usadas por orizicultores no Rio Grande do Sul na época, e que foi parte da dissertação pelo Programa de Pós-graduação em Agronomia da UFSM da agrônoma Isabel Lago, hoje chefe do departamento da Fitotecnia.

 Propriedades rurais começam a receber visita do IBGE a partir de terça

- Em 2007, pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola, a agrônoma Lidiane Cristine Walter desenvolveu a maior parte do código computacional desse modelo. Estes dois trabalhos deram as bases científicas para a ideia da elaboração de um aplicativo mais acessível ao usuário, através de uma interface gráfica, já que o código fonte do modelo é em Fortran.

 Santa Maria, RS, Brasil, 22/11/2017.Equipe de pesquisa da UFSM desenvolveu método de plantio de soja antecipado, em agosto, em que a planta desenvolve maior potencial de produtividade. O estudo é chefiado pelo professor Alencar Júnior Zanon, do departamento de fitotecnia da ufsm (de óculos). Ioran Rossato é aluno que integra o grupo, bem como o professor de Agrometeorologia Nereu Streck.
O objetivo do grupo de pesquisa é continuar disponibilizando informações aplicadas ao produtor por meio de semináriosFoto: Charles Guerra / New Co

 Caixa Federal vai ter atendimento especial para quitação de dívidas

- A versão 1.0 do SimulArroz foi lançada durante o VIII Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado, realizado em Santa Maria em agosto de 2013. Até 2015 foram realizados testes em lavouras comerciais de arroz irrigado nas seis regiões orizícolas do Estado, visando verificar a capacidade preditiva do modelo em condições de lavoura e assim promover o uso do modelo a campo.

- Apesar de o nome SimulArroz, o grupo também realiza pesquisas nos cultivos de soja, milho e mandioca, buscando desde o melhoramento genético, passando pelo desenvolvimento da planta e grãos, até a rentabilidade produtiva na colheita. É formado por alunos de diferentes cursos

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249